https://periodicos.fclar.unesp.br/cadernos/issue/feed Cadernos de Campo: Revista de Ciências Sociais 2021-03-12T08:57:54-03:00 Equipe Cadernos de Campo cadernosdecampo.fclar@unesp.br Open Journal Systems <p><span>A Revista Cadernos de Campo é uma publicação semestral editada pelos discentes do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara (Fclar) da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP). O periódico tem por finalidade a divulgação de pesquisas e de trabalhos científicos produzidos por pós-graduandos e docentes do campo das ciências sociais. Prioriza-se o caráter acadêmico dos trabalhos e dos diálogos travados com as subáreas da antropologia, da ciência política e da sociologia, incluindo áreas afins, tais como, história, geografia, pedagogia, economia, relações internacionais e filosofia, a fim de abranger um variado leque de áreas nas humanidades.</span></p> https://periodicos.fclar.unesp.br/cadernos/article/view/13627 Metalinguagem no Museu Afro Brasil 2020-10-15T20:51:29-03:00 Carla Brito Sousa Ribeiro cbsribeiro@yahoo.com.br <p>Proponho que a exposição do acervo do Museu Afro Brasil (SP) possui características muito representativas da interseção entre os ofícios de criação e curadoria de arte e sobre o trato da memória institucional, através de práticas pouco convencionais de exercício da expografia. À vista disso, busco refletir sobre uma interpenetração entre curadoria, fazer artístico e expografia, e trazer aportes das análises sobre curadoria, criação artística e arranjos metalinguísticos no museu estudado. Apresento a exposição como memorial institucional – com base em conversas e entrevistas com colaboradores, do “diálogo ausente” com o curador-diretor-artista e da análise de material bibliográfico e obras do acervo – por compreender a exposição como um imaginário composto por montagens de imagens criadas por Emanoel Araújo. Para comunicar a singularidade da exposição, trago uma perspectiva dos objetos em exibição possibilitada pelos registros de campo e as análises a partir dele, em diálogo com teóricos das artes e humanidades sobre práticas curatoriais, polissemia da imagem e o papel da cenografia. Discuto o fazer artístico da curadoria e o ofício de curador-artista calcado na figura de Emanoel Araújo, que toma como base <em>A Mão Afro-Brasileira</em>. Por fim, tenciono a relação texto-imagempúblico, ao passo que, apesar de não haver consenso sobre as possibilidades criativas do fazer curatorial, afirmo que Emanoel Araújo e equipe ultrapassam o usual esperado desta prática, posto que os limites sobre a topografia dos objetos dispostos e os recursos sensoriais da cenografia são extrapolados.</p> 2021-03-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Compartilhado Autor e Revista https://periodicos.fclar.unesp.br/cadernos/article/view/14101 O sexo e o corpo como veículos das práticas mágicas no esoterismo do século XX 2020-10-03T09:45:31-03:00 Beatriz Parisi biiaparisi@outlook.com <p>O presente artigo tem como objetivo demonstrar a importância da magia sexual na construção de uma forma específica de corporalidade dentro das práticas esotéricas do século XX, utilizando como estudo de caso a <em>Thelema</em>, sistema mágicoreligioso desenvolvido por Aleister Crowley. O corpo, através da ressignificação das práticas sexuais e de seu espaço na vida social, ganha centralidade como locus da experiência vivida e como potência de transformação ativa de si e do mundo. Essa nova forma de construir o corpo, positivando-o como o espaço da subjetividade e da plasticidade, está totalmente inserido nas demandas sociopolíticas do <em>fin-de-siècle.</em> Investigar-se-á essa forma de se construir o corpo com recurso a um aparato míticoritual que reforça, através da repetição do rito, esse novo <em>corpus</em> de valores atrelados a categorias já existentes, com ênfase ao sexo, mostrando uma outra face da dualidade discursiva fundante da modernidade: o corpo como duplo do sujeito (LE BRETON, 2002[1990]).</p> 2021-03-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 CC-BY https://periodicos.fclar.unesp.br/cadernos/article/view/13683 Donos da fala e a narrativa unidimensional no meio rural 2020-10-13T11:04:58-03:00 João Carlos Dias de Oliveira diasjcoliveira@gmail.com Luiz Alexandre Gonçalves Cunha cunhageo@uepg.br <p>Este artigo analisa notícias publicadas sobre o ‘Paraná 12 Meses’, projeto desenvolvido para pequenos produtores rurais, com a finalidade de compreender o problema do espaço ocupado pelos atores envolvidos, já que a proposta era de construção conjunta com as comunidades. Foi feita pesquisa qualitativa a partir da análise de discurso em jornais que abrangem as três regiões históricas do território paranaense. O objetivo foi verificar se a horizontalidade daí proveniente se consolidou em matérias e <em>releases</em>, através da identificação dos protagonistas da narrativa. O artigo verifica, ainda, a relação dos investimentos com o agronegócio, possivelmente apontado como caminho irreversível para a permanência do pequeno agricultor no meio rural. Tal estudo parte do conceito de unidimensionalidade marcusiana, que acusa o mundo moderno de tentar impor um caminho único para o desenvolvimento. A pesquisa demonstrou uma verticalização da narrativa com as vozes oficiais se apresentando em defesa do agronegócio transnacional.</p> 2021-03-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Compartilhado Autor e Revista https://periodicos.fclar.unesp.br/cadernos/article/view/13877 Auge y ocaso del regionalismo post-liberal 2020-09-20T15:50:06-03:00 María Victoria Alvarez maria.alvarez@fcpolit.unr.edu.ar <p>Una década después del surgimiento del regionalismo post-liberal, asistimos a fuertes movimientos en detrimento de su supervivencia, tanto en el caso de la UNASUR como de ALBA. ¿Qué factores explicaron la aparición de estos esquemas característicos del regionalismo post-liberal? ¿El debilitamiento de esos factores puede explicar el actual agotamiento de esta ola de regionalismo? Partimos del supuesto de que la convergencia ideológica y el liderazgo regional son facilitadores del regionalismo. Sin embargo, conjeturamos que la afinidad ideológica no puede por sí misma dar cuenta de los patrones variables en la cooperación regional. Especialmente en el periodo del regionalismo post-liberal, fue fundamental la voluntad de liderazgo de Brasil y Venezuela, de la mano de Lula da Silva y Hugo Chávez, y por consiguiente, tanto el surgimiento como el ocaso de ALBA y UNASUR pueden ser explicados predominantemente por los vaivenes del liderazgo regional.</p> 2021-03-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 CC-BY https://periodicos.fclar.unesp.br/cadernos/article/view/14166 Réquiem para uma iniciativa de regionalismo sul-americano 2020-10-19T10:34:43-03:00 Lucas Guerra lucaspxguerra@gmail.com Gustavo Frisso gustavoluizfrisso@hotmail.com <p>O artigo apresenta uma análise do recente desmantelamento da União das Nações Sul-Americanas (UNASUL) sob os governos do giro liberal-conservador recentemente vivenciado na América do Sul. Através da mobilização de trechos de discursos de Chefes de Estado da região, é possível notar que o caráter alegadamente “ideológico” da UNASUL é apresentado como justificativa principal para a saída da instituição. Diante disso, o objetivo geral do artigo é apresentar um questionamento a essas narrativas sobre o caráter “ideológico” da UNASUL. Para tanto, parte-se de uma revisão de literatura sobre regionalismo, pragmatismo e ideologia. Argumenta-se, em primeiro lugar, que pragmatismo e ideologia no regionalismo não são conceitos dicotômicos, mas complementares. Assim, em que pese elementos ideológicos da UNASUL, a organização representa uma série de alinhamentos e fatores pragmáticos em sua institucionalização e atuação. Finalmente, argumenta-se que as propostas de “des-ideologização” e “realinhamento pragmático” do regionalismo das novas direitas na América do Sul é, efetivamente, mais ideológico do que pragmático como se propõe.</p> 2021-03-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 CC-BY https://periodicos.fclar.unesp.br/cadernos/article/view/14363 Uruguay, los regionalismos y la integración regional 2020-10-17T10:50:32-03:00 Camilo López Burian camilo.lopez@cienciassociales.edu.uy Diego Hernández Nilson diego.hernandez@cienciassociales.edu.uy <p>En 2020 se inició en Uruguay un gobierno de coalición de derecha liderado por el Partido Nacional, luego de 15 años de gobiernos frentreamplistas. Hay señales que muestran el inicio de una reorientación de la política exterior hacia una mayor apertura comercial y de captación de inversiones. Como contraparte parece haber una pérdida de la importancia relativa de la región en la política exterior uruguaya, que incluye reclamos por la apertura y la flexibilización del Mercosur y un reposicionamiento frente al regionalismo. Este cambio impulsado por el nuevo gobierno puede resultar contraintuitivo con relación a la vocación regional tradicionalmente atribuida por la literatura al Partido Nacional. Sin embargo, a través del análisis de un censo y entrevistas a legisladores, el artículo demuestra que en la última década las preferencias partidarias ya esbozan este relegamiento de la región. De esta forma, se plantea el surgimiento en el Partido Nacional de un neoherrerismo pragmático, realista y profundamente liberal, tendencia predominante en la visión internacional del gobierno.</p> 2021-03-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 CC-BY https://periodicos.fclar.unesp.br/cadernos/article/view/13793 Argentina en el mundo 2020-06-11T00:44:55-03:00 Alejandro Simonoff asimonoff2010@gmail.com <p>El articulo trata de encontrar por un lado los motivos por los cuales la política exterior argentina se muestra como oscilante, pensando fundamentalmente en el último recambio institucional, y explorar algunas claves para explicar dicho fenómeno. La política exterior argentina ha pasado por distintas etapas y las últimas elecciones presidenciales han mostrado potenciales cambios en relación al futuro de esta agenda. El artículo comienza con una breve reseña de la política exterior implementada en el gobierno de Mauricio Macri, basada en un alineamiento con Estados Unidos, Europa Occidental y Japón como potencias mundiales. La siguiente sección presenta perspectivas analíticas para las agendas de política exterior. Posteriormente, el artículo presenta un análisis de los notables movimientos del gobierno de Mauricio Macri en política exterior.</p> 2021-03-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Compartilhado Autor e Revista https://periodicos.fclar.unesp.br/cadernos/article/view/14165 O acordo continental africano de livre comércio 2020-09-30T15:16:37-03:00 Conrado Ottoboni Baggio conottoboni@yahoo.com.br <p>A assinatura do Acordo Continental Africano de Livre-Comércio (AfCFTA), em 2018, pode ser considerado um feito histórico tanto pela quantidade de países participantes quanto pelo número de pessoas e recursos abrangidos por ele. No entanto, problemas históricos referentes ao continente africano como um todo, somado às questões internas dos países membros e a própria magnitude do acordo, trazem desafios consideráveis ao seu cumprimento efetivo. Assim, o objetivo deste artigo é apresentar o processo de criação do AfCFTA, bem como apontar os diversos obstáculos políticos e econômicos que podem afetar negativamente a sua implementação.</p> 2021-03-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 CC-BY https://periodicos.fclar.unesp.br/cadernos/article/view/14867 Apresentação 2021-03-12T08:40:53-03:00 Equipe Editorial Cadernos de Campo _SEM_EMAIL_@example.com 2021-03-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 https://periodicos.fclar.unesp.br/cadernos/article/view/14868 Entrevista com o professor Andrés Malamud 2021-03-12T08:48:13-03:00 Matheus Felipe Silva matheusfsilva.90@gmail.com 2021-03-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 https://periodicos.fclar.unesp.br/cadernos/article/view/14869 Da crise da pós-hegemonia ao impacto da Covid-19. 2021-03-12T08:51:33-03:00 José Briceño-Ruiz bricenoruiz@hotmail.com <p>Neste artigo analisa-se o complexo processo que o regionalismo latinoamericano tem experimentado nas duas décadas de século XXI e seu impasse atual. Na primeira parte se discute a era do regionalismo pós-hegemônico e suas limitações. A segunda parte contempla a chegada dos governos conservadores e seu impacto na estratégia regionalista, especialmente na América do Sul. Por fim, se examina a resposta dos blocos latino-americanos à pandemia da Covid-19.</p> 2021-03-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 CC-BY https://periodicos.fclar.unesp.br/cadernos/article/view/14870 Reseña del libro relaciones internacionales 2021-03-12T08:57:54-03:00 Gustavo Marini decano@fcpolit.unr.edu.ar 2021-03-12T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021