O lugar das crianças com deficiências na educação infantil e políticas de inclusão na educação brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.1.12203

Palavras-chave:

Educação infantil, Deficiência, Inclusão.

Resumo

Nesse artigo buscamos refletir sobre qual “o lugar” que as crianças pequenas com deficiência, da Educação Infantil, de zero a cinco anos de idade, ocupam nas ações e políticas promovidas pelo Estado na educação brasileira, frente à necessidade em tomar conhecimento de quem são nos sistemas de ensino, quais as suas demandas diante da educação e se elas possuem algum espaço nas instituições de Educação Infantil. Subsidiados pela literatura científica e legislação nacional, concluímos que o lugar atribuído às crianças com deficiência, nas pesquisas, pelo poder público e pela sociedade de modo geral, é ainda o da invisibilidade, quando consideramos a inclusão dos alunos público-alvo da Educação Especial na Educação Infantil. Essas crianças, ao longo de toda história, foram direcionadas a ocupar um “não-lugar”, um espaço onde os direitos sociais e a cidadania lhes são negados. Com essa reflexão, buscou-se dar ressignificação à essa invisibilidade tanto na legislação, quanto nos contextos das pesquisas em educação e, especificamente, da Educação Infantil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Solange Aparecida de Souza Monteiro, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de São Paulo – IFSP – Campus – Araraquara

Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de São Paulo – IFSP – Campus – Araraquara – SP, Brasil, Mestra em Processos de Ensino, Aprendizagem e Inovação.

Paulo Rennes Marçal Ribeiro, Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara SP

Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação Sexual, e no PPG Educação Escolar– Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara SP, Brasil

Referências

ARANHA, M. S. F. Educação inclusiva: a fundamentação filosófica. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2004.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Organização do texto: Juarez de Oliveira. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 1990. 168 p. (Série Legislação Brasileira).

BRASIL. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília/DF, 2009.

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Revisão das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. In: BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI, p. 80-101, 2013.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Versão preliminar. Brasília: MEC, 2015. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/#/site/inicio. Acesso em: 10 mar. 2018.

CARNEIRO, R. U. C. Dossiê: Trabalho docente no contexto da inclusão escolar. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, [S.l.], v.11, n. esp. 2, p. 856-860, set. 2016. ISSN 1982-5587.

CARVALHO, R. S. Problematizando discursos generificados em livros de formação de professores de Educação Infantil. Rev. Eletrônica Pesquiseduca, Santos, v. 06, n. 11, p. 7-25, jan./jun. 2014.

DECLARAÇÃO DE SALAMANCA. Brasília, 1994. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca/pdf.pdf. Acesso em: 27 dez 2018.

EMMEL, M. L. G. Deficiência Mental In: Palhares, M. S. Marins, S. C. F (Org.) Escola Inclusiva. São Carlos: Ed. Da UFSCar, 2002.

JANUZZI, G. M. A educação do deficiente no Brasil: dos primórdios ao início do século XXI. Campinas: Autores Associados, 2004.

KISHIMOTO, T. M. Jogo, brinquedo e brincadeira. São Paulo: Cortez, 2008.

MACEDO, E. Base Nacional Curricular Comum: novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para a educação. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 03, p. 1530-1555, out./dez. 2014.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão Escolar: O que é? Por quê? Como fazer? Editora moderna 2006.

MITTLER, P. Educação Inclusiva: Contextos Sociais. São Paulo: Artmed, 2003.

OMOTE, S. Diversidade, educação e sociedade inclusiva. In: OLIVEIRA, A. A. S.; OMOTE, S.; GIROTTO, C. R. M. (Org.). Inclusão escolar: as contribuições da educação especial. São Paulo: Fundep, 2008.

PESSOTTI, I. Deficiência Mental: da superstição à ciência. São Paulo: T. A. Queiroz, 1984.

SASSAKI, R. K. Construindo uma sociedade inclusiva. Rio de Janeiro: Ed W.V.A, 2007.

VIGOTSKI, L. S. Obras Completas V. Fundamentos de defectologia. Habana: Editorial Pueblo y Educación, 1997.

Publicado

01/04/2019

Como Citar

MONTEIRO, S. A. de S.; RIBEIRO, P. R. M. O lugar das crianças com deficiências na educação infantil e políticas de inclusão na educação brasileira. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp.1, p. 730–745, 2019. DOI: 10.21723/riaee.v14iesp.1.12203. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12203. Acesso em: 30 set. 2022.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.