BARREIRAS E ASPECTOS FACILITADORES DO ACESSO AOS SERVIÇOS DE SAÚDE NA REDE SANTA MARCELINA, SP: UM ESTUDO SOBRE O “TERRITÓRIO CIDADE TIRADENTES”

Gustavo Rodrigues de Oliveira, Helena Carvalho de Lorenzo

Resumo


O acesso aos serviços de saúde tem sido um desafio nacional. Previsto por lei desde a implementação do SUS, há 20 anos, o acesso à saúde é um direito constitucional que envolve determinantes inúmeros e complexos problemas, que vão desde a ampliação da oferta de serviços na rede básica de saúde até o adequado atendimento de uma demanda cada vez mais crescente e necessitada. Há poucos estudos com um olhar mais sistêmico que identifique os problemas de acesso enfrentados não apenas pela perspectiva do usuário, dos profissionais da saúde e gestores de instituições envolvidas. Neste estudo o tema é analisado, enquanto políticas públicas, buscando uma visão abrangente sobre o assunto na percepção dos usuários, profissionais da saúde e gestores. O termo acesso, é entendido não apenas em seu sentido mais especifico, ou seja, o ingresso, ou problemas ao ingresso do usuário ao sistema, mas é visto de um ponto de vista mais amplo como caminho, trajetória, ações legais ou institucionais propostas por políticas públicas que facilitam ou dificultam o ato de chegar, ou de se aproximar. Para a elaboração do estudo foi delimitada a rede de saúde “Território Cidade Tiradentes” que faz parte da “Rede de Atenção à Saúde Santa Marcelina”, situada na zona Leste de São Paulo. O território foi delimitado por sua representatividade na rede, por sua extensão, número elevado de usuários, variedade de serviços e número de atendimentos, presença de muitas instituições e mesmo conselhos de saúde. Do ponto de vista metodológico trata-se de um estudo exploratório e qualitativo, que utilizou dados secundários para a caracterização da rede, do território e identificação de serviços, e envolveu a utilização de cinco ferramentas de pesquisa dentre as quais destacamos  levantamento de perfil populacional no território, a realização de entrevistas semiestruturadas, além de outras estratégias de trabalho detalhadas na metodologia. Os resultados alcançados apontaram significativas e importantes diferenças entre a percepção dos usuários e demais atores investigados quanto ao acesso. Barreiras e aspectos facilitadores são evidenciados. Mas também sinalizaram a necessidade de maior adequação às necessidades dos usuários e de ampliar a participação social na gestão local para acompanhar as mudanças nas necessidades, dirimir as divergências entre os atores sociais e melhorar a qualidade do acesso.


Palavras-chave


Avaliação do Acesso. Redes de Atenção à Saúde. Políticas Públicas de Saúde. Território Ci-dade Tiradentes. SUS.



DOI: https://doi.org/10.32760/1984-1736/REDD/2020.v12i1.14351

Direitos autorais 2020 REDD – Revista Espaço de Diálogo e Desconexão

 

 

 

E-ISSN: 1984-1736

UNESP - Universidade Estadual Paulista / Araraquara
 Rod. Araraquara - Jaú Km1 Bairro dos Machados Caixa Postal 174 CEP: 14.800-901 Araraquara - SP