Aplicação do cinema digital na promoção da igualdade de gênero na escola

Autores

  • Fernanda de Carvalho Azevedo Mello
  • Janderlan Alexandre de Araujo
  • Andréa Carla Mendonça de Souza Paiva
  • Maria Grazia Cribari Cardoso

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n.esp1.out.2017.10428

Palavras-chave:

Cinema digital. Gênero. Divisão sexual do trabalho.

Resumo

Este trabalho tem por objetivo apresentar a utilização do cinema digital para discutir diversidade e desigualdade de gênero na sociedade, a partir de debates entre estudantes do Ensino Médio. Fruto de um projeto de extensão da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), intitulado Cine debate: igualdade de gênero e raça na escola, a ação constou da exibição de filmes sobre gênero entre estudantes da escola pública estadual de referência Professor Cândido Duarte. Foram adotados dois critérios para a seleção da cinematografia: filmes brasileiros de curta-metragem que versaram sobre os temas do projeto, tais como diferenças de gênero (em suas várias linhas). Logo após a projeção dos filmes, foram incentivados debates entre os estudantes. Por fim, foi solicitada a avaliação desses filmes a partir de questionário com perguntas abertas e fechadas (RICHARDSON, 1999) que indagavam sobre a obra cinematográfica e a relação desta com a vida cotidiana; além de serem trazidas perguntas específicas de identificação: nome, idade, sexo, cor, religião e série escolar foram algumas das informações requisitadas. A análise dos questionários apontou a importância do cinema como instrumento de comunicação, podendo ser utilizado para refletir sobre a condição de gênero e trabalho entre homens e mulheres na sociedade e na família, ampliando o aprendizado e motivando o debate.

Referências

ARAÚJO, Â. M. C.; AMORIM, E. R. A. Redes de subcontratação e trabalho a domicílio na indústria de confecção: um estudo na região de Campinas. Cadernos Pagu (Online), n. 17-18, p. 267-310, 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332002000100010&lng=pt&nrm=iso >. Acesso em: 24 fev. 2017

CARDOSO, M. G. C. Família, gênero e empresa: o comércio de vestuário no bairro de São José – Recife-Pernambuco. 2006. 268f. Tese (Doutorado em Antropologia) –Universidade Federal de Pernambuco, Pernambuco, 2006.

CASTRO, M. G. Marxismo, feminismos e feminismo marxista – mais que um gênero em tempos neoliberais. Crítica Marxista, p. 98-108, 2003.

COMBES, D.; HAICAULT, M. Produção e reprodução, relações sociais de sexos e de classes. In: KARTCHEVSKY, A. et. al. O sexo do trabalho. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

DELPHY, C. Patriarcado. In: HIRATA, H.; LABORE, F. et al. Diccionario crítico del feminismo. Síntesis: Madrid, 2002.

FRESQUET, A. Cinema e educação: reflexões e experiências com professores e estudantes de educação básica, dentro e “fora da escola”. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

HEILBORN, M. L.; SORJ, B. Estudos de gênero no Brasil. In: MICELLI, S. et al. O que se deve ler em ciências sociais no Brasil. São Paulo: Cortez e ANPOCS, 1999.

HIRATA, H. S. Divisão sexual do trabalho: novas tendências e problemáticas atuais. Gênero no mundo do Trabalho. In: I Encontro de Intercâmbio de Experiências de Gênero no Brasil, Brasília: CIDA, 2000.

HIRATA, H. S. Nova divisão sexual do trabalho? São Paulo: Boitempo, 2002.

HIRATA, H. S. Trabalho doméstico: uma servidão “voluntária”? Coleção Cadernos da Coordenadoria Especial da Mulher – PMSP, n. 8 – Políticas Públicas e Igualdade de Gênero, dez. 2004.

KERGOAT, D. Em Defesa de uma Sociologia das Relações Sociais. In: KARTCHEVSKY, A. et al. O sexo do trabalho. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

KERGOAT, D. Dinâmica e Consusbstacialidade das Relações Sociais. Novos Estudos. CEBRAP (Online), São Paulo, n. 86, p. 93-103, mar. 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002010000100005&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 13 abr. 2017

SAFFITOTI, H. I. Rearticulando gênero e classe social. In: COSTA, A. de O.; BRUSCHINI, C. Uma questão de gênero. Rio de Janeiro: Rosa dos Ventos, 1992, p. 39-53.

XAVIER, I. Um cinema que “educa” é um Cinema que (nos) faz pensar. Educação & Realidade, v. 33, n. 1, p. 13-20, jan./jun. 2008.

Downloads

Publicado

04/10/2017

Como Citar

Mello, F. de C. A., Araujo, J. A. de, Paiva, A. C. M. de S., & Cardoso, M. G. C. (2017). Aplicação do cinema digital na promoção da igualdade de gênero na escola. Revista on Line De Política E Gestão Educacional, 665–676. https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n.esp1.out.2017.10428