Impactos sociais dos novos fluxos migratórios e políticas linguísticas no Brasil: o ensino de português como língua de acolhimento (PLAc)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v23i3.12685

Palavras-chave:

Português como Língua de Acolhimento, Deslocados forçados, Políticas linguísticas, Políticas sociais.

Resumo

Neste trabalho, consideramos o ensino de Português como Língua de Acolhimento (PLAc) no Brasil como uma maneira de produzir agenciamento em prol da conquista de direitos aos imigrantes deslocados forçados. Nossa motivação para empreender esta discussão se dá uma vez que o ensino de PLAc é recentemente debatido nas esferas públicas e acadêmicas, consequentemente, são necessárias pesquisas que se somem à temática, à luz das políticas linguísticas que se constroem nas horizontalidades e nas verticalidades, em camadas que se sobrepõem. Para mais, ao longo de nossas pesquisas, nos deparamos com a falta de materiais teóricos e didáticos – para professores e alunos - que tratem do ensino de PLAc sob a perspectiva da reterritorialização e agentividade. Como elaborar um ensino acolhedor, de fato, sem reproduzir modelos que excluem, que separam o aluno imigrante do(a) professor(a) brasileiro(a)?  O PLAc se configura como ensino de língua diminuitivo ou aditivo ao passo que é a língua de um novo espaço de vivências para sujeitos migrantes? Tendo em vista o estado da arte das pesquisas e asserções, até o momento, e as propostas sobre o acolhimento em língua portuguesa, buscamos refletir de que forma o PLAc incide sobre as políticas para imigrantes refugiados no Brasil, além de discutirmos as nomenclaturas imigrante e refugiado.

Biografia do Autor

Mariana Bulegon, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre – RS

Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre – RS – Brasil. Mestranda em Linguística Aplicada. Bolsista CAPES. 

 


 

Laura Fontana Soares, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre – RS

Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre – RS – Brasil. Mestranda em Linguística Aplicada. Bolsista CNPq.

Referências

AMADO, R. O ensino de português como língua de acolhimento para refugiados. Revista da Sociedade Internacional Português Língua Estrangeira (SIPLE). 7ed., ano 4, n. 2, 2013.

ANUNCIAÇÃO, R. F. M. Somos mais que isso: práticas de (re)existência de migrantes e refugiados frente à despossessão e ao não reconhecimento. Dissertação de mestrado. Universidade Estadual de Campinas, 2017.

AYDOS, M. R. Migração Forçada: Uma abordagem conceitual a partir da imigração de angolanos para os estados de São Paulo e Rio de Janeiro, Brasil (1970-2006). Dissertação de Mestrado. Campinas, SP, 2010.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. São Paulo, SP: Editora 34 Ltda, 2016.

BETTS, A. Survival Migration: A New Protection Framework. Global Governance: A Review of Multilateralism and International Organizations. v. 16, n. 3, p. 361-382, July-September 2010.

BIZON, A. C. C. Narrando o exame Celpe-Bras e o convênio PEC-G: a construção de territorialidades em tempos de internacionalização. Tese de Doutorado. Campinas, SP, 2013.

BIZON, A. C. C; CAMARGO, H. R. E. Acolhimento e ensino da língua portuguesa à população oriunda de migração de crise no município de São Paulo: por uma política do atravessamento entre verticalidades e horizontalidades. In: BAENINGER; BOGUS; BERTINO MOREIRA; VEDOVATO; FERNANDES; SOUZA; BALTAR; PERES; WALDMAN; MAGALHÃES. (Org.). Migrações Sul-Sul. 2ed. v. 1. Campinas, SP, 2018.

BRASIL. Estatuto do Refugiado, 1951.

CANAGARAJAH, A. S. Subversive identities, pedagogical safe houses, and critical learning. In: NORTON, B.; TOOHEY, K. (Orgs.). Critical pedagogies and language learning. Cambridge: Cambridge University Press. Cap. 7, p. 116-137, 2004.

CAVALCANTI, L. Novos fluxos migratórios: haitianos, senegaleses, e ganeenses no mercado de trabalho brasileiro. In: GIEDEL, J. A. P.; GODOY, G. G. (Org.). Refúgio e hospitalidade. Curitiba: Kairós Edições, 2016.

CLARK, H. H. O uso da linguagem. Cadernos de Tradução. Porto Alegre: UFRGS, nº 9, p. 49-71. jan-mar. 2000.

COLL, C. Psicologia e currículo: uma aproximação psicopedagógica à elaboração do currículo escolar. Tradução Cláudia Schilling. São Paulo: Ática, 1996.

DELEUZE, G.; GUATARRI, F. Mil platôs: postulados da linguística. Rio de Janeiro: Editora 34, 1997.

DENNER, F. O Sentido da Biopolítica em Michel Foucault. Revista Estudos Filosóficos, nº 4, p. 143-157, 2010.

FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. 12ª Ed. Rio de Janeiro: Graal, 1996.

GROSSO, M.J.R. Língua de acolhimento, língua de integração. Horizontes de Linguística Aplicada, v. 9, n.2, p.61-77, 2010.

GALLO, S. Biopolítica e subjetividade: resistência? Educar em Revista. n. 66, p. 77-94, out/dez. 2017.

LOPEZ, A. P. A. Subsídios para o planejamento de cursos de Português como Língua de Acolhimento para Imigrantes Deslocados Forçados no Brasil. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Minas Gerais, 2016.

MAHER, T. A educação do entorno para a interculturalidade e o plurilinguismo. In: KLEIMAN, Angela; CAVALCANTI, Marilda (Orgs.). Linguística Aplicada – suas faces e interfaces. p. 255-270. Campinas: Mercado de Letras, 2007.

MARQUES, A. A. M. Políticas linguísticas e ensino de português como língua de acolhimento para imigrantes no Brasil: Uma discussão a partir da oferta de cursos nas universidades federais. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS, 2018.

MOITA LOPES, L. P. Uma Linguística Aplicada mestiça e ideológica. In: _______ (Org.). Por uma Linguística Aplicada indisciplinar. p. 13-44. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

RICENTO, T.; HORNBERGER, N. H. Unpeeling the onion: Language planning and policy and the ELT professional. p. 401- 427. TESOL Quarterly, 1996.

ROSSA, L. A.; MENEZES, M. A. Entre Migrações e Refúgio: migrações sul-sul no Brasil e as novas tipologias migratórias. In: BAENINGER; BOGUS; BERTINO MOREIRA; VEDOVATO; FERNANDES; SOUZA; BALTAR; PERES; WALDMAN; MAGALHÃES. (Org.). Migrações Sul-Sul. 2ed., v. 1, Campinas: 2018.

SANTOS, M. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1996.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro, RJ/ São Paulo, SP: Editora Record, 2001

SCHLATTER, M.; GARCEZ, P. Línguas Adicionais na escola: aprendizagens colaborativas em inglês. Erechim, RS: Edelbra, 2012.

SIGNORINI, I. Do residual ao múltiplo e ao complexo: o objeto da pesquisa em Linguística Aplicada. In: SIGNORINI, I; CAVALCANTI, M (Orgs.). Lingüística aplicada e transdisciplinaridade. Campinas: Mercado de Letras, p. 99-110, 1998.

VAINER, C. B. Estado e migração no Brasil: da imigração à emigração. In: Patarra, N. L. (coord.). Emigração e imigração internacionais no Brasil Contemporâneo. São Paulo: FNUAP, 1995.

Publicado

15/08/2019

Como Citar

Bulegon, M., & Soares, L. F. (2019). Impactos sociais dos novos fluxos migratórios e políticas linguísticas no Brasil: o ensino de português como língua de acolhimento (PLAc). Revista on Line De Política E Gestão Educacional, 23(3), 638–655. https://doi.org/10.22633/rpge.v23i3.12685

Edição

Seção

Artigos