Avaliação em larga escala e Base Nacional Comum Curricular (BNCC): dimensões da política de contenção e liberação no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v24iesp1.14018

Palavras-chave:

Base Nacional Comum Curricular, Política de contenção e liberação, Avaliação em larga escala.

Resumo

Este artigo tem o objetivo de desenvolver uma reflexão acerca da avaliação em larga escala, a partir da BNCC (2017; 2018), como uma dimensão da política de contenção e de liberação no Brasil. Para tanto, discorre-se acerca da relação entre a avaliação em larga escala e a BNCC, levando-se em conta o discurso dos Organismos Internacionais, que por sua vez, maximizam a busca estrita por resultados. Desse modo, apresenta-se a BNCC e seus principais apoiadores, a fim de explicitar a reforma empresarial na educação e a intencionalidade da avaliação em larga escala apresentada no documento. Logo, a constatação é de que a BNCC expressa a contenção/restrição do acesso aos conteúdos científicos, bem como o controle e a padronização almejada nas avaliações em larga escala por meio da política de liberação dos chamados conteúdos socioemocionais como norteadores da aprendizagem.

Biografia do Autor

Amanda Melchiotti Gonçalves, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Cascavel - PR

Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Educação.

Dhyovana Guerra, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Cascavel - PR

Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Educação.

Roberto Antonio Deitos, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Cascavel - PR

Professor no curso de Pedagogia e no Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutor em Educação (UNICAMP).

Referências

ANPED. A proposta de BNCC do ensino médio: alguns pontos para o debate. Nota da Anped, 2018. Disponível em: http://www.anped.org.br/news/nota-anped-proposta-de-bncc-do-ensino-medio-alguns-pontos-para-o-debate. Acesso em: 09 dez. 2019.

BALL, S. J. Educação Global S. A.: novas redes políticas e o imaginário neoliberal. Trad. Janete Bridon. Ponta Grossa: UEPG, 2014.

BANCO MUNDIAL. Competências e empregos: uma agenda para a juventude. Síntese de constatações, conclusões e recomendações de políticas. Washington, DC, 2018a.

BANCO MUNDIAL. Informe sobre el desarrollo mundial 2018: aprender para hacer realidad la promesa de la educación. Cuadernillo del “Panorama general”. Washington, DC: Banco Mundial, 2018b.

BRASIL. Saeb: histórico. Inep, 2020. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/educacao-basica/saeb/historico. Acesso em: 18 mar. 2020.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação Infantil e Ensino Fundamental. Versão final. Brasília: MEC, 2017.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Ensino Médio. Versão final.

Brasília: MEC, 2018.

COSTA, M. da C. dos S.; FARIAS, M. C. G. de; SOUZA, M. B. de. A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e a formação de professores no Brasil: retrocessos, precarização do trabalho e desintelectualização docente. Movimento-Revista de Educação, Niterói, ano 6, n. 10, p. 91-120, jan./jun. 2019.

CUNHA, L. A. Educação e desenvolvimento social no Brasil. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1979.

DEITOS, R. A. Políticas públicas: aspectos teóricos-ideológicos e socioeconômicos. Acta Scientiarum Education, Maringá, v. 32, n. 2, p. 209-218, 2010.

DOURADO, L. F. Reforma do Estado e as políticas para a educação superior no Brasil nos anos 90. Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 80, p. 234-252, set. 2002.

FIGUEIREDO, I. M. Z. Desenvolvimento, globalização e políticas sociais: um exame das determinações contextuais dos projetos de reforma da educação e saúde brasileiras da última década. 2005. 264 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

FREITAS, L. C. A reforma empresarial da educação: nova direita, velhas ideias. 1. ed. São Paulo: Expressão popular, 2018.

GONÇALVES, A. M. Os intelectuais orgânicos da Base Nacional Comum Curricular (BNCC): aspectos teóricos e ideológicos. 2020. 128 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2020.

GUERRA, D. Contenção e liberação na política educacional brasileira: tendências predominantes na Política de Educação Infantil e do Ensino Fundamental (2006-2016). 2020. 150 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2020.

LIBÂNEO, J. C. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 13-28, 2012.

MARSIGLIA, A. C. G.; PINA, L. D.; MACHADO, V. de O.; LIMA, M. A Base Nacional Comum Curricular: um novo episódio de esvaziamento da escola no Brasil. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 9, n. 1, p. 107-121, abr. 2017.

MÉLO, S. C. B.; ARAGÃO, W. H. Política de avaliação em larga escala: “educação para todos” ou exclusão em nome da “qualidade”? Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 21, n. esp. 2, p. 1152-1164, nov. 2017.

MOVIMENTO PELA BASE NACIONAL COMUM CURRIULAR. Dimensões e Desenvolvimento das Competências Gerais da BNCC: center for curriculum redesign. 2018. Disponível em: http://movimentopelabase.org.br/acontece/competenciasgerais-de-bncc/. Acesso em 19 abr. 2018.

OLIVEIRA, D. A.; DUARTE, A. Política educacional como política social: uma nova regulação da pobreza. Perspectiva, Florianópolis, v. 23, n. 02, p. 279-301, jul./dez. 2005.

OLIVEIRA, Q. C. da S.; COELHO, D.; CASTANHA, A. P. Considerações sobre as avaliações em larga escala no Brasil e o papel dos organismos internacionais: eficiência e produtividade x qualidade. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, n. 19, p. 238-255, jul./dez. 2015.

SANTOS, R. A. Teoria do capital humano: uma análise do caso brasileiro. Análise, Porto Alegre, v. 19, n. 2, p. 18-30, jul./dez. 2008.

SAVIANI, D. O plano de desenvolvimento da educação: análise do projeto do MEC. Educ. Soc., Campinas, v. 28, n. esp. 100, p. 1231-1255, out. 2007.

SHIROMA, E. O.; EVANGELISTA, O. Um fantasma ronda o professor: a mística da competência. In: MORAES, M. C. M. de. Iluminismo às avessas: produção de conhecimento e políticas de formação docente. Rio de Janeiro: DP&A, 2003. p. 81-98.

SCHULTZ, T. W. O capital humano: investimentos em educação e pesquisa. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

SCHULTZ, T. W. O valor econômico da educação. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

TORRIGLIA, P. L. Argentina: políticas de ajuste e paradoxos na educação. In: MORAES, M. C. M. de. Iluminismo às avessas: Produção de conhecimento e políticas de formação docente. Rio de Janeiro: DP&A, 2003. p. 99-128.

VASCONCELOS, C. R. D.; LEAL, I. O. J.; ARAÚJO, J. A. de Q. C. Nexos entre gestão, avaliação e o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) em escolas públicas. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 24 n. 1, p. 55-70, jan./abr. 2020.

ZANARDINI, J. B. Ontologia e avaliação da Educação Básica no Brasil (1990-2007). 2008. 208 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

SHIROMA, E. O.; ZANARDINI, I. M. S. Estado e gerenciamento da educação para o desenvolvimento sustentável: recomendações do capital expressas na Agenda 2030. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 24, n. esp. 1, p. 693-714, ago. 2020.

Publicado

31/07/2020

Como Citar

Gonçalves, A. M., Guerra, D., & Deitos, R. A. (2020). Avaliação em larga escala e Base Nacional Comum Curricular (BNCC): dimensões da política de contenção e liberação no Brasil. Revista on Line De Política E Gestão Educacional, 24(esp1), 891–908. https://doi.org/10.22633/rpge.v24iesp1.14018