Saberes trans* em universidades nordestinas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v24i3.14208

Palavras-chave:

Currículo, Ensino superior, Normas de gênero, Professoras trans*

Resumo

O objetivo desse artigo é analisar como a presença de professoras trans* nas universidades gera questionamentos e desestabilizações às normas de gênero, desencadeando negociações no que se refere às discussões e vivências de gênero e sexualidades no currículo do ensino superior. Nesse texto, foram produzidas análises iniciais a partir das entrevistas realizadas com duas professoras trans* em 2018. Essas professoras enfrentam diariamente questões sobre a abjeção de seus corpos e a produção dos discursos de anormalidade por serem pessoas que historicamente ocuparam as margens da sociedade e suas presenças enquanto professoras no Ensino Superior são causadoras de questionamentos, estranhamentos, com potencial para mudanças. Mesmo com todos os obstáculos, essas professoras desencadeiam novos padrões de aprendizagem, valorizam a afetividade e celebram a diferença, trabalhando num currículo produzido nas resistências diárias, na micropolítica, se desviando das diretrizes da macropolítica da educação que busca produzir subjetividades controladas.

Biografia do Autor

Helma de Melo Cardoso, Universidade Federal de Sergipe (UFS), São Cristóvão – SE

Psicóloga Codap. Doutorado em Educação (UFS).

Alfrancio Ferreira Dias, Universidade Federal de Sergipe (UFS), São Cristóvão – SE

Professor Adjunto II no Departamento de Educação. Doutorado em Sociologia (UFS).

Referências

ANDRADE, L. N. Travestis na escola: assujeitamento e resistência a ordem normativa. Orientadora: Celecina de Maria Veras Sales. 2012. 300 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2012.

ALMEIDA, W. R. A. Uniforme escolar e uniformização dos corpos. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 10, n. 22, p. 09-22, 2017.

BENEDETTI, M. Toda feita: o corpo e o gênero das travestis. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

BENEVIDES, B. A luta por sobrevivência no país que mais mata Travestis e Transexuais no mundo. In: ANTRA. Mapa dos assassinatos de travestis e transexuais no Brasil em 2017. ANTRA. Brasil, 2018. p. 7-10.

BENEVIDES, B. G.; NOGUEIRA, S. N. (Org.). Assassinatos e violência contra travestis e transexuais no Brasil em 2018. ANTRA, IBTE, 2019.

BENTO, B. Na escola se aprende que a diferença faz a Diferença. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 549, jan. 2011.

BENTO, B. O que é transexualidade. São Paulo: Brasiliense, 2008.

BENTO, B. Transviad@s: gênero, sexualidade e direitos humanos. Salvador: EDUFBA, 2017.

BENTO. B. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. 2. ed. Natal: EDUFRN, 2014.

BRITO, C. D. A., NUNES, C. P. The intensification of teaching work in the context of the commercialization of higher education in Brazil. Journal of Research and Knowledge Spreading, v. 1, n. 1, e.11420, 2020.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. 2. ed. Rio de Janeiro: BestBolso, 2014.

BUTLER, J. Regulações de gênero. Cadernos Pagu, v. 42, p. 249-274, jan./jun. 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0104-8333201400420249

CARDOSO, H. M. Gênero, sexualidade e escola: contribuições da teorização de Foucault. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 11, n. 01, p. 319-332, 2019.

CORAZZA, S. Diferença pura de um pós-currículo. In: LOPES, A. C.; MACEDO, E. (Org.). Currículo: debates contemporâneos. São Paulo: Cortez, 2002.

CORAZZA, S. O que quer um currículo? Pesquisas pós-críticas em educação. Petrópolis: Editora Vozes, 2001.

DAMASCENA, T. S. F. Transfobia: morte à carne, morte ao espírito. In: Grupo Transcritas Coletivas. Nós trans: escrivivências de resistências. Belo Horizonte: Litera Trans, 2017. p. 58-60.

DELPHINO SCOTE, F. Será que temos mesmo direitos a universidade? o desafio do acesso e a permanência de pessoas transexuais no ensino superior. Orientador: Professor Doutor Marcos Roberto Vieira Garcia. 2017. 152 f. Dissertação. (Mestrado em educação) – Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba, 2017.

DIAS, A, F.; CARVALHO, M. E. P.; OLIVEIRA, D. A. Notas sobre o processo de inclusão/exclusão de uma professora transexual. Revista FAEEBA, v. 25, n. 45, p. 145-158, 2016.

DIAS, A. F. Como as escolas educam corpos nas práticas pedagógicas? Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 7, n. 14, p. 103-112, abr. 2014. DOI: https://doi.org/10.20952/revtee.v0i0.2958

DIAS, A. F. et al. Schooling and subversions of gender. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 10, n. 22, p. 83-92, maio 2017. DOI: https://doi.org/10.20952/revtee.v10i22.6433

DIAS, A. F; MENEZES, C. A. A. Que inovação pedagógica a pedagogia queer propõe ao currículo escolar? Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 10, n. 23, p. 37-48, out. 2017. DOI: https://doi.org/10.20952/revtee.v10i23.7443

DIAS, A. F. Trans* escrevivências as a pedagogical power. Journal of Research and Knowledge Spreading, v. 1, n. 1, p. e11494, 2020.

FERREIRA, S. R. S. O direito ao manejo dos próprios dados, a autodeterminação e a passabilidade trans: diálogos a partir de um relato. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL ENLAÇANDO SEXUALIDADES, 5., 2017, Salvador. Anais [...]. Campina Grande: Realize Editora, 2017. v. 1. p. 1-11.

FINO, C. N. Inovação Pedagógica e Ortodoxia Curricular. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 9, n. 18, p. 13-22, 14 abr. 2016. DOI: https://doi.org/10.20952/revtee.v9i18.4959

FRANCO, N. Professoras trans brasileiras: ressignificações de gênero e sexualidades no contexto escolar. Orientadora: Graça Aparecida Cicillini. 2014. 265 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2014.

FURLANI, J. Direitos Humanos, Direitos Sexuais e Pedagogia: Queer O que essas abordagens têm a dizer à Educação Sexual? In: JUNQUEIRA, R. D. (Org.). Diversidade sexual na educação: problematizações sobre a homofobia nas escolas. 1. ed. Brasília: Ministério da Educação; UNESCO, 2009. p. 293-323.

FULLAGAR, S. A physical cultural studies perspective on physical (in)activity and health inequalities: the biopolitics of body practices and embodied movement. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 12, n. 28, p. 63-76, 2019.

GALLO, S. Em torno de uma educação menor. Educação e realidade, v. 27, n. 2, p. 169-178, jul./dez. 2002.

HOOKS, B. Ensinado a transgredir: a educação como prática da liberdade. 2. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2017.

JESUS, J. G. Um pouco sobre interseccionalidade e invisibilidade trans. In: Grupo Transcritas Coletivas. Nós trans: escrivivências de resistências. Belo Horizonte: Litera Trans, 2017. p. 142-144.

JUNQUEIRA, R. D. “Ideologia de gênero”: um dispositivo retórico de ofensiva antifeminista. In: DIAS, A. F.; SANTOS, E. F.; CRUZ, M. H. S. Gênero e sexualidades: entre invenções e desarticulações. Aracaju: Editora IFS, 2017. p. 46-60.

KOVACS, H.; TINOCA, L. Unfreeze the pedagogies: introduction of a new innovative measure in Portugal. Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, v. 10, n. 23, p. 73-86, 10 out. 2017. DOI: https://doi.org/10.20952/revtee.v10i23.7446

LARROSA, J. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, jan./abr. 2002.

LOURO, G. L. Conhecer, pesquisar, escrever. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO DA REGIÃO SUL, 5., 2004, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: ANPED Sul, 2004a. p. 1-20.

LOURO, G. L. Mulheres na sala de aula. In: DEL PRIORE, M. (Org.). História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Editora Contexto, 2004b.

LOURO, G. L. Um corpo estranho: ensaios sobre a sexualidade e a teoria queer. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

LYRA STRAPASSON, S. A questão do corpo e sexualidade na formação docente. Revista Diálogo Educacional, v. 9, n. 27, p. 363-378, jul. 2009.

MISKOLCI, R. Um aprendizado pelas diferenças. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica: UFOP, 2015.

MOREIRA, A. F.; SILVA JÚNIOR, P. M. Currículo, transgressão e diálogo: quando outras possibilidades se tornam necessárias. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 9, n. 18, p. 45-54, 2016. DOI: https://doi.org/10.20952/revtee.v9i18.4962

MORGADO, J. C. O professor como decisor curricular: de ortodoxo a cosmopolita. Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, v. 9, n. 18, p. 55-64, 2016.

NASCIMENTO, L. F.; CAVALCANTE, M. M. D. abordagem quantitativa na pesquisa em educação: investigações no cotidiano escolar. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 11, n. 25, p. 249-260, 2018.

OLIVEIRA, M. R. G. O diabo em forma de gente: (r)existências de gays afeminados, viados e bichas pretas na educação. Curitiba: Editora Prismas, 2017.

PACHECO, J. A.; SOUSA, J. O (pós) crítico na Desconstrução Curricular. Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, v. 9, n. 18, p. 65-74, 2016. DOI: https://doi.org/10.20952/revtee.v9i18.4971

PEDRO, N. Ambientes educativos inovadores: o estudo do fator espaço nas ‘salas de aula do futuro’ portuguesas. Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, v. 10, n. 23, p. 99-108. 2017. DOI: https://doi.org/10.20952/revtee.v10i23.7448

PELÚCIO, L. Abjeção e desejo: uma etnografia travesti sobre o modelo preventivo de Aids. São Paulo: Annablume, 2009.

PINTO, E. J. S.; CARVALHO, M. E. P.; RABAY, G. As relações de gênero nas escolhas de cursos superiores. Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, v. 10, n. 22, p. 47-58, 2017. DOI: https://doi.org/10.20952/revtee.v10i22.6173

PLATERO, R. L., LANGARITA, J. A. La docencia encarnada, sexuada y generizada. Dos experiencias incómodas. Pedagogia i Treball Social. Revista de Ciències Socials Aplicades, v. 5, n. 1, p. 57-78, 2016.

REIDEL, M. A pedagogia do salto alto: histórias de professoras transexuais e travestis na educação brasileira. Orientador: Fernando Seffner. 2013. 147 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

RIBEIRO, P. R. M.; MONTEIRO, S. A. de S. Avanços e retrocessos da educação sexual no Brasil: apontamentos a partir da eleição presidencial de 2018. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, [S. l.], v. 14, n. esp.2, p. 1254–1264, 2019. DOI: 10.21723/riaee.v14iesp.2.12701. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12701. Acesso em: 28 dez. 2019.

RIOS, P. P. S.; LUCAS VIEIRA, A. R. The emerging of a gender discourse in education: the differences in the school space. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 13, n. 32, p. 1-18, 2020.

RUDD, T.; GOODSON, I. F. Refraction as a Tool for understanding action and educational orthodoxy and transgression. Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, v. 9, n. 18, p. 99-110, 11 abr. 2016. DOI: https://doi.org/10.20952/revtee.v9i18.4968

SARAT, M.; CAMPOS, M. I. Gênero, sexualidade e infância: (Con)formando meninas. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 7, n.12, p. 45-56, 2014.

SANTOS, A. L. Formação das pessoas transexuais na Universidade Federal de Sergipe: enfrentamento e resistência das normas de gênero no espaço acadêmico. Orientador: Alfrâncio Ferreira Dias. 2017. 90 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2017.

SANTOS, D. B. C. Docências Trans*: Entre a decência e a abjeção. Orientadora: Maria Rita de Assis César. 2017. 447 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2017.

SANTOS, I. T. R.; BARRETO, D. A. B.; SOARES, C. V. C. O. Formative assessment in the classroom: the dialogue between teachers and students. Journal of Research and Knowledge Spreading, v. 1, n. 1, p. e11483, 2020.

SILVA, D. M; LEME, E. S.; JAEHN, L. A universidade pública frente ao contexto contemporâneo: em discussão o currículo e suas possibilidades na formação docente. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 23, n. 1, p. 766-784, 2019. DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v23iesp.1.13011

SILVA, T. R. Educação em e para os direitos humanos: a escola e o direito a afirmação da diferença. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 21, n. 2, p. 1076-1097, 2017. DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n.esp2.2017.10176

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2. ed. 9. reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

Silva, T. O.; Rios, P. P. Gender, sexual diversity and field education: “in rural communities many people do not understand and treat it as a disease. Journal of Research and Knowledge Spreading, v. 1, n.1, p. e11418, 2020. https://doi.org/10.20952/jrks1111418

SOUSA, J. M. Repensar o currículo como emancipador. Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, v. 9, n. 18, p. 111-120, 11 abr. 2016. DOI: https://doi.org/10.20952/revtee.v9i18.4969

ULJENS, M. Non-affirmative curriculum theory in a cosmopolitan era? Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, v. 9, n. 18, p. 121-132, abr. 2016. DOI: https://doi.org/10.20952/revtee.v9i18.4970

VIEIRA, J. J.; RAMALHO, C. C.; VIEIRA, A. L. C. A origem do plano nacional de educação e como ele abordou as questões de gênero. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 21, n. 1, p. 64-80, jan. 2017. DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n1.2017.9746

VIVIANE V. É a natureza quem decide? Reflexões trans* sobre gênero, corpo e (ab?) uso de substâncias. In: JESUS, J. G. et al. Transfeminismo: teorias & práticas. 2. ed. Rio de Janeiro: Metanoia, 2015.

VIVIANE V. Pessoas trans e travestis em todos os espaços. In: COLLING, L.; NOGUEIRA, G. (Org.). Crônicas do cus: cultura, sexo e gênero. Salvador, BA: Editora Devires, 2017. p. 111-112.

WAGNER, S. Travesti: a fragilidade do ensino. In: ANTRA. Mapa dos assassinatos de travestis e transexuais no Brasil em 2017. ANTRA, 2017. p. 61-66.

Publicado

28/12/2020

Como Citar

Cardoso, H. de M., & Dias, A. F. (2020). Saberes trans* em universidades nordestinas. Revista on Line De Política E Gestão Educacional, 24(esp3), 1689–1712. https://doi.org/10.22633/rpge.v24i3.14208