image/svg+xmlRevisão bibliográfica da perspectiva teórica de Bourdieu na educação matemáticaRev. Sem Aspas,Araraquara, v.11, n.esp.1, e022023,2022. e-ISSN2358-4238DOI:https://doi.org/10.29373/sas.v11iesp.1.168391REVISÃO BIBLIOGRÁFICA DA PERSPECTIVA TEÓRICA DE BOURDIEU NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICAREVISIÓN BIBLIOGRÁFICA DE LA PERSPECTIVA TEÓRICA DE BOURDIEU EN LA EDUCACIÓN MATEMÁTICALITERATURE REVIEW OF BOURDIEU’S THEORETICAL PERSPECTIVE ONMATHEMATICAL EDUCATIONJulia Beatriz GiacchetoBARBIERI1RESUMO:Considerando a importância de Bourdieu para a educação, analisamos como o autor é abordado na Educação Matemática e quais são suas possíveis implicações e contribuições para a área, bem como delimitamos quais de seus conceitos principais (habitus, campo, capital econômico,capital cultural, capital simbólico e capital social) são utilizados pelos pesquisadores de Educação Matemática. O levantamento bibliográfico foi realizado através de buscas online nos anais dos principais eventos científicos da área, nos sites dos periódicos de Educação Matemática avaliados de A1 a B2 nas áreas de ensino e de educação na Plataforma Sucupira na Classificações de Periódicos no quadriênio 2013-2016. É possível concluir que Bourdieu é pouco conhecido e adotado na área de Educação Matemática, tanto pela baixa representatividade quantitativa desses estudos quanto pelo número ainda menor de pesquisas que adotam seu modo de trabalho.PALAVRAS-CHAVE:Pierre Bourdieu. Educação matemática. Revisão bibliográfica.RESUMEN:Considerando la importancia de Bourdieu para la educación, analizamos cómo se entraal autor en la Educación Matemática y cuáles son sus posibles implicaciones y aportes al área, así como delimitar cuáles de sus principales conceptos (habitus, campo, capital económico, capital cultural, capital simbólico y capital social) son utilizados por los investigadores en Educación Matemática. El levantamiento bibliográfico se realizó a través de búsquedas en línea en los anales de los principales eventos científicos del área, en los websitede las revistas de Educación Matemática evaluadas de A1 a B2 en las áreas de enseñanza y educación en la Plataforma Sucupira en las Clasificaciones Periódicas en el cuatrienio 2013-2016. Es posible concluir que Bourdieu es poco conocido y adoptado en el área de la Educación Matemática, tanto por la baja representación cuantitativa de estos estudios comopor el número aún menor de estudios que adoptan su forma de trabajar.PALABRASCLAVE:Pierre Bourdieu. Educación matemática. Revisión bibliográfica.1Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara SP Brasil. Mestranda em Ciências Sociais.ORCID: https://orcid.org/0000-0001-6399-0804.E-mail:julia.barbieri@unesp.br
image/svg+xmlJulia Beatriz Giaccheto BARBIERIRev. Sem Aspas,Araraquara, v. 11, n. esp. 1, e022023,2022. e-ISSN 2358-4238DOI: https://doi.org/10.29373/sas.v11iesp.1.168392ABSTRACT:Considering Bourdieu's importance to education, we intend to analyze how the author is approached in Mathematical Education e what are his possible implications and contributions to this subject, as well as narrow it down which of his main concepts (habitus, field, economic capital, cultural capital, symbolic capital and social capital) are used by researchers of Mathematical Education. The bibliographic survey was made through online searches on annalsof this subject's main scientific events, Mathematical Education journals evaluated from A1 to B2 in teaching and education at Sucupira Platform in Journals Classification during the quadrennium 2013-2016. We concluded that Bourdieu's concepts are not used very much when it comes to Mathematical Education. This happens both for the lack of quantitative representativeness and for the even smaller number of researches that use his working mode.KEYWORDS:Pierre Bourdieu. Math education. Literature review.IntroduçãoA preocupação com o ensino-aprendizagem efetivo pertence a grande maioria dos professores e das professoras, inclusive da área de matemática que, dentre outras coisas, precisam lidar com o estigma social criado da disciplina como algo extremamente difícil,que só as pessoas superdotadas conseguem. Segundo D’Ambrósio (2004), há preocupações com o ensino da matemática desde a antiguidade, entretanto,é só após a Revolução Industrial, a Revolução Americana e a Revolução Francesa que as preocupações com a Educação Matemática começam a tomar forma. Ainda, segundo o autor, somente na transição do século XIX para o século XX é que a Educação Matemática se torna uma área prioritária na educação. Sobre a consolidação da Educação Matemática, ele afirma que se dá com a fundação da Comissão Internacional de Instrução Matemática,em 1908.Assim, podemos ver que, embora a preocupação com o ensino e aprendizagem da matemática remeta àantiguidade, a Educação Matemática é uma área recentemente criada. Algumas tendências sãoapresentadas no Ensino da Matemática para tentar promover uma educação que se afaste da aula puramente expositiva, na qual o professor é o único detentor do saber e a aprendizagem se dá através da memorização dos conteúdos, como a etnomatemática, a modelagem matemática, a resolução de problemas, o uso de softwares e de novas tecnologias em aula, entre outros. Entretanto, a maioria das novas formas de aprendizagem tendem a desconsiderar o contexto sociocultural de formação dos estudantes e das estudantes ea influência que tal contexto exerce sobre o sucesso ou fracasso escolar. Isto é, falta referenciais sociológicos nas tendências educacionais da área do Ensino da Matemática.
image/svg+xmlRevisão bibliográfica da perspectiva teórica de Bourdieu na educação matemáticaRev. Sem Aspas,Araraquara, v.11, n.esp.1, e022023,2022. e-ISSN2358-4238DOI:https://doi.org/10.29373/sas.v11iesp.1.168393Pierre Bourdieu (1930-2002) desenvolve uma resposta sociológica para os problemas educacionais, na qual explicita, segundo Nogueira e Nogueira (2017),que o desempenho escolar é decorrente da origem social dos estudantes, ou seja, há um forte peso das origens sociais sobre o destino escolar. Os autores afirmam,ainda,que a educação, na teoria bourdieusina, perdeu o papel de agente transformadora e democratizadora das sociedades e passou a ser vista como uma das principais instituições que propagam e eternizam as desigualdades sociais. O sociólogo é utilizado como referencial em alguns artigos que analisam a relação do capital cultural e o desempenho em matemática, como,por exemplo,o artigo de Santos, Andrade e Cousin (2016) que analisa tal relação nas escolas públicas do município de Maringá, no Paraná, usando os resultados dos alunos do 9º ano na Prova Brasil de 2011. Temos também o artigo de Nunes (2011),que também analisa a relação do desempenho em matemática com o capital cultural sob a ótica de Bourdieu, mas através dos dados do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA) e do Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB).Ambas as pesquisas tratam do conceito de capital cultural e chegam a resultados semelhantes, já que mostram que os estudantes e as estudantes que possuem maior capital cultural geralmenteobtêm os melhores resultados na disciplina de matemática, isto é, o capital cultural está fortemente relacionado ao bom desempenho na disciplina. A fecundidade dos trabalhos mencionados acima e da influência dos conceitos bourdieusinos nos levou a questionar quais seriam as outras contribuições do autor para a Educação Matemática. Desse modo, considerando a importância já explicitada de Bourdieu para a educação, pretendemos analisar como o autor é abordado na Educação Matemática e quais são suas possíveis implicações e contribuições para a área, bem como delimitar quais de seus conceitos principais (habitus, campo, capital econômico, capital cultural, capital simbólico e capital social) são utilizados pelos pesquisadores de Educação Matemática.O artigo está dividido nas seguintes parte: inicialmente demonstramos nossa metodologia, em seguidaevidenciamos as obras de Bourdieu que foram apropriadas nos trabalhos estudados, depois trazemos os conceitos apropriados nos trabalhos analisados, agrupamos os trabalhos em linhas temáticas e, por fim, as considerações finais.
image/svg+xmlJulia Beatriz Giaccheto BARBIERIRev. Sem Aspas,Araraquara, v. 11, n. esp. 1, e022023,2022. e-ISSN 2358-4238DOI: https://doi.org/10.29373/sas.v11iesp.1.168394Metodologia de pesquisaBuscamos identificar o uso de Pierre Bourdieu na educação matemática por meio delevantamento bibliográfico, o qualfoi realizado através de buscas online nos anais dos principais eventos científicos da área, nos sites dos periódicos de Educação Matemática avaliados de A1 a B2 nas áreas de ensinoe de educaçãona Plataforma Sucupira na Classificações de Periódicos no quadriênio 2013-2016. Os trabalhos considerados foram apenas os nacionais e foram selecionadas apenas as revistas cujo escopo aborda a Educação Matemática, em especial as que possuem o termo “Educação Matemática” em seu título.A saber, as revistas analisadas, em julho de 2019, foram: o Boletim de Educação Matemática (BOLEMA), a Educação Matemática em Revista (EMR), a Educação Matemática em Revista (EMR) RS, a revista Educação Matemática Pesquisa (EMP), o Jornal Internacional de Estudos em Educação Matemática (JIEEM), a Revista Eletrônica de Educação Matemática (REVEMAT), o Boletim Online de Educação Matemática (BOEM), a Em Teia: Revista de Educação Matemática e Tecnológica Iberoamericana, a revista Perspectivas da Educação Matemática, a Revista Paranaense de Educação Matemática (RPEM), o periódico Caminhos da Educação Matemática em Revista, a Revista Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (RIPEM) e a Revista Sergipana de Matemática e Educação Matemática.Torna-se necessário ressaltar que o periódico Educação Matemática em Revista (São Paulo) está vinculado ao Educação Matemática em Revista. O mesmo site partilha os dois ISSN. Além dos trabalhos publicados nos periódicos, foram consideradosos trabalhos disponibilizados nos anais do Encontro Nacional de Educação Matemática (ENEM) e do O Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM).Para melhor observar a utilização do autor nos trabalhos da área de Educação Matemática uma classificação se fez necessária. Para a classificação,nos embasamos no trabalho de Catani, Catani e Pereira (2001), intitulado Apropriações da obra de Pierre Bourdieu no campo educacional brasileiro, através de periódicos da área. O trabalho mencionadoacima tem por objetivo analisar como Bourdieu é mencionado no campo educacional brasileiro. Catani, Catani e Pereira (2001, p. 65) dividem as apropriações de Bourdieu em três categorias: 1)Apropriação incidentalé a forma mais frequente de apropriação e se caracteriza por apresentar referências rápidas ao autor. Nesse tipo de apropriação,é comum que o sociólogo apareça nas referências e não apareça no corpo do texto. Não é possível, na apropriação incidental, relacionar a argumentação contida no texto com a referência;2)Apropriação conceitual tópica é caracterizada por apresentar citações e conceitos elaborados do autor, mas de forma não sistemática. As contribuições
image/svg+xmlRevisão bibliográfica da perspectiva teórica de Bourdieu na educação matemáticaRev. Sem Aspas,Araraquara, v.11, n.esp.1, e022023,2022. e-ISSN2358-4238DOI:https://doi.org/10.29373/sas.v11iesp.1.168395elaboradas por Bourdieu são utilizadas para reforçar os argumentos ou resultados obtidos e desenvolvidos; e3)Apropriação do modo de trabalho é caracterizada pelas apropriações sistemáticas dos conceitos e noções do autor, sendo assim Bourdieu é o referencial teórico da pesquisa e o desenvolvimento dela se faz em torno das significações bourdianas. A revisão bibliográfica retornou, inicialmente, um total de 114 trabalhos, após realizarmos as exclusões pelas razões anteriormente mencionadas, obtemos 51 trabalhos que compõe o corpus da pesquisa. Esses 51 trabalhos foram divididos em três categorias: menção incidental (10), mobilização conceitual tópica (17) e apropriação do modo de trabalho (24). Tendo em vista que os trabalhos caracterizados pelas categorias mençãoincidentale mobilização conceitual tópicaexprimem de maneira superficial os conceitos e contribuições das teorias bourdieusinas, adotaremos para a análise e discussão apenas os trabalhos classificados na categoria apropriação do modo de trabalho. Devido a quantidade consideravelmente abundante de trabalhos classificados nesta categoria,descartaremos da análise as teses e dissertações e consideraremos as demais fontes.Desse modo, foram analisados 13 trabalhos. Obras de Pierre Bourdieu presentes nas referências dos trabalhos analisadosNo estudo,percebemos que algumas obras de Bourdieu são pouco referenciadas, sendo utilizadas por poucos trabalhos. Esse dado pode demonstrar que essas obras não são tão conhecidas pela comunidade científica da área de Educação Matemática que se apropriam dos conceitos bourdieusinos. As obras A Reproduçãoe OPoder Simbólicosão as obras que mais aparecem nas referências dos 13 trabalhos analisados na pesquisa.Com esse dado, pode-se inferir que são as obras bourdieusinas mais comumente conhecidas pela comunidade científica da áreaeestão associadas, principalmente, à sociologia da educação. As obras consideravelmente utilizadas, por 3 trabalhos, foram A Economia das Trocas Simbólicase o Campo Científico.Embora os autores tenham referenciado as obras O Poder Simbólicoe A Economia das Trocas Simbólicasde forma integral, essas obras não possuem relação imediata com a educação. Entretanto, há capítulos contidos nas obras que podem justificar a frequência com que elas são utilizadas como referência. Em A Economia das Trocas Simbólicas, há, por exemplo, o capítulo Sistemas de Ensino e Sistemas de Pensamento. Em O Poder Simbólico, um capítulo que pode justificar as referências realizadas é A Gênese dos Conceitos de Habitus e Campo.
image/svg+xmlJulia Beatriz Giaccheto BARBIERIRev. Sem Aspas,Araraquara, v. 11, n. esp. 1, e022023,2022. e-ISSN 2358-4238DOI: https://doi.org/10.29373/sas.v11iesp.1.168396Conceitos apropriados pelos trabalhos analisados Dos trezetrabalhos analisados,apenas quatrose apropriam de todos os principais conceitos de Pierre Bourdieu. O conceito mais apropriado é o de habituse o de campo,que estão presentes em novetrabalhos. O conceito capital(capital econômico, o capital cultural, o capital simbólico e o capital social) é apropriado por oitotrabalhos.Outros trabalhos se apropriam de conceitos isolados da teoria bourdieusina. O próprio Bourdieu,em algumas de suas obras,mobiliza explicitamente apenas um de seus conceitos,mantendo a coerência teórica e metodológica comasua teoria geral. Os trabalhos de Farias e Vilela (2016), Aguilar e Ortigão (2018), Andrade e Santos (2014) e Pinheiro (2013) se apropriam de apenas um conceito bourdieusino. O trabalho de Farias e Vilela (2016), embora mencione os conceitos de habituse de capital, se apropria apenas do conceito de campo.Os autores referenciam duas obras de Bourdieu. Os trabalhos de Aguilar e Ortigão (2018), Andrade e Santos (2014) e Pinheiro (2013) se apropriam apenas do conceito de capital e referenciam apenas uma obra de Boudieu. Aguilar e Ortigão (2018) e Pinheiro (2013) referenciam AReprodução, já Andrade e Santos (2014) referenciamOstrêsestadosdocapitalcultural.A leitura mais atenta dos artigos considerados parece indicar contato inicial com a obra de Bourdieu. Issoporquealguns trabalhos não referenciam mais de 3 obras do autor e é comum que Bourdieu seja utilizado apenas como pano de fundo, além de sermobilizado com outros referenciais teóricos. Na leitura dos trabalhos, também observamosque não háarticulação dos dados dos estudos com os conceitos bourdieusinos. Grenfell (2018) chama a atenção para a forma como as contribuições bourdieusinas são recebidas, interpretadas e utilizadas.Oautor ainda menciona que Pierre Bourdieu advertiu sobre os perigos da circulação internacional de ideias. “[...] o que temos em Bourdieu é uma única visão epistemológica queo autorpassou o resto de sua vida articulando. É uma coisa enxergá-la num flash, outra desembrulhá-la ao longo do tempo” (GRENFELL. 2018, p.198). Para Grenfell (2018), as pessoas que utilizam a teoria e prática bourdieusina de maneira rasa perdem o rigor intelectual e caem em um utilitarismo e pragmatismo instrumentais.É muito fácil metaforizaros dados; em outras palavras, simplesmente empregar termos como habitus, campoe capitalpara discutir achados de pesquisa. Tal uso pode levar a uma forma fraca de construtivismo, em que incidentes biográficos são interpretados em termos do que é e não é valorizado em vários contextos (GRENFELL, 2018, p.199)Catani, Catani e Pereira (2001) alertam que os textos de Pierre Bourdieu podem ficar aprisionados na dicotomia “reprodução versustransformação” e que os defensores dessa
image/svg+xmlRevisão bibliográfica da perspectiva teórica de Bourdieu na educação matemáticaRev. Sem Aspas,Araraquara, v.11, n.esp.1, e022023,2022. e-ISSN2358-4238DOI:https://doi.org/10.29373/sas.v11iesp.1.168397dicotomia estão, muitas vezes, empenhados na formulação de teorias pedagógicas propensas à politização e militância,que acabam por deslegitimar a sociologia de Bourdieu. Ainda de acordo com Catani, Catani e Pereira (2001), devido as dicotomias (que Bourdieu tanto combateu em suas obras) criadas em cima das obras bourdieusinas, o autor foi transformado em uma espécie depedagogo reprodutivista.Linhas temáticas dos trabalhos consideradosCom a leitura dos trabalhos,percebeu-se que alguns partilhavam semelhanças quanto aos seus respectivos objetivos e resultados.Com isso, foi possível realizar uma subclassificação, agrupando-os em linhas temáticas.As linhas temáticas criadas foram embasadas nos Grupos de Trabalho da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM). Algumas adaptações foram realizadas para melhor englobar os trabalhos analisados.A primeira linha temática, denominada Desempenho Escolar, concentra os trabalhos que possuem como objetivo analisar a relação dos capitais e contextos socioculturaisem que os estudantes estão inseridos e o desempenho em matemática dos alunos. Os trabalhos que pertencem a essa linha também podem ter como objetivo analisar a influência que o capital do professor possui com a proficiência do aluno. Os trabalhos pertencentes àprimeira linha temática são: umartigo do SIPEM (AGUILAR; ORTIGÃO, 2018), umartigo de periódico(ANDRADE; SANTOS, 2014)e três trabalhos do ENEM (PINHEIRO, 2013; COSTAet al., 2013; MOGNON; ANDRADE; NEVES, 2013).Há um total de cincotrabalhos pertencentes a subcategoria Desempenho Escolar. Dois desses trabalhos utilizam apenas o conceito de capitalpara o desenvolvimento da pesquisa, dois utilizam o conceito de capital e o conceito de habitus;e apenas um-“O educador matemático frente às ideias bourdieusianas” (COSTAet al., 2013)-se apropria dos trêsconceitos principais de Bourdieu. Desse modo, pode-se inferir que,nessa linha temática,os autores mobilizam o conceito de capitale, geralmente, o associa ao conceito de habitus. Três dos cinco trabalhos agrupados nessa linha temática embasam seus estudos e análises na Prova Brasil (AGUILAR; ORTIGÃO, 2018; ANDRADE; SANTOS, 2014; MOGNON; ANDRADE; NEVES, 2013). Sendo assim, infere-se que a Prova Brasil é uma importante ferramenta de análise de dados que permitem estabelecer relações de fatores que influenciam no desempenho escolar dos estudantes. Doistrabalhos dessa linha (PINHEIRO, 2013; COSTAet al., 2013) consideram o professor e seus capitais como sendo um fator
image/svg+xmlJulia Beatriz Giaccheto BARBIERIRev. Sem Aspas,Araraquara, v. 11, n. esp. 1, e022023,2022. e-ISSN 2358-4238DOI: https://doi.org/10.29373/sas.v11iesp.1.168398determinante para um bom desempenho escolar dos alunos. O conceito de capital, especialmente o capital cultural, é de relevância fundamental para os trabalhos dessa linha temática. Os conceitos bourdieusinos dos trabalhos aqui considerados são mobilizados para explicar os fatores que culminam em um baixo ou alto desempenho escolar. Todos os trabalhos dessa linha apresentam a teoria bourdieusinavinculada aoutros referenciais.A segunda linha temática, denominada Formação de Professores, concentra os trabalhos cujo objetivo é analisar como a formação ou a formação continuada de professores influenciam na carreira docente do professor, seja constituindo um habitus, seja com a determinação do campo (Matemática ou Educação; Matemática Acadêmica ou Matemática Escolar) que predomina nos cursos de licenciatura em matemática. Os trabalhos contidos na segunda linha temática são: doistrabalhos de periódicos (COSTA; SILVA, 2014; VILELA, 2013)e quatroartigos do ENEM (KESSLER, 2004;FARIAS; VILELA, 2016; RODRIGUES, 2019; FERNANDES; ROSA; OLIVEIRA, 2019).A linha Formação de Professores contém um total de seistrabalhos. Apenas o trabalho “Um ponto de vista sociológico do Profmat” (FARIAS; VILELA, 2016) se apropria de um único conceito, o de campo. Nessa linha temática, a maioria dos trabalhos associam o conceito de habituse o de campo. Apenas os trabalhos “As atividades acadêmico-científico-culturais e a formação dos professores de matemática” (RODRIGUES, 2019) e “Tendência Profissionalizante da Universidade: o caso da licenciatura em matemática da UFSCar”(VILELA, 2013) se apropriam de todos os conceitos principais. Todos os trabalhos dessa linha utilizam o conceito de campo.Para os trabalhos dessa linha,o conceito de capital não é muito relevante, já que é mobilizado em apenas dois trabalhos (VILELA, 2013; RODRIGUES, 2019)e não se constitui como conceito mais mobilizado em nenhum trabalho. Desse modo, infere-se que os trabalhos que abordam a formação de professores se atentam às análises do campo da matemática e as disputas presentes dentro dele;e as análises de um possível habitusconstituído através da formação e da formação continuada dos professores. É possível notar que há um trabalho (FERNANDES; ROSA; OLIVEIRA, 2019)que mobiliza mais o conceito campo,embora o conceito habitusseja mais relevantepara o desenvolvimento da pesquisa e do trabalho. A terceira linha temática, denominada Saberes Matemáticos, concentra os trabalhos que possuem como objetivo analisar o contexto cultural no qual alguns saberes matemáticos, formalizados e não formalizados, se desenvolvem e se modificam. Essa linha temática conta com os seguintes trabalhos: umtrabalho do SIPEM (MACHADO, 2015) e umartigo de periódico(VAZ; SILVA, 2017).
image/svg+xmlRevisão bibliográfica da perspectiva teórica de Bourdieu na educação matemáticaRev. Sem Aspas,Araraquara, v.11, n.esp.1, e022023,2022. e-ISSN2358-4238DOI:https://doi.org/10.29373/sas.v11iesp.1.168399A linha Saberes Matemáticos conta com doistrabalhos, um voltado para a matemática informal do produtor rural e outro voltado para as modificações realizadas no Departamento de Desenho de uma universidade. O trabalho “Referências sobre desenho: um estudo das obras que fundamentam o ensino da expressão gráfica na UFPR” (VAZ; SILVA, 2017) apropria os três conceitos principais da teoria bourdieusina;já o trabalho “Saberes e Fazeres Matemáticos Integrados ao Cotidiano do Produtor Rural” (MACHADO, 2015) utiliza os conceitos de habituse campo.É possível notar que os trabalhos dessa linha abordama matemática específica de um determinado grupocomo, por exemplo,o produtor rural-ou a matemática presente nas disciplinas de Expressão Gráfica. O conceito capital aparece topicamente em apenas um dos trabalhos (VAZ; SILVA, 2017). Por isso,conclui-se que não é um conceito importante para a linha de pesquisa, enquanto osconceito habituse campo são os mais comumente apropriados e de relevância para o desenvolvimento do trabalho.Considerações finaisA linha Desempenho Escolar tem cinco trabalhos. Nessa linha temática, é possível inferir que os autores mobilizam o conceito de capital e, geralmente, o associa ao conceito de habitus. Destarte, os conceitos bourdieusinos dos trabalhos considerados são mobilizados para explicar os fatores que determinam o desempenho escolar. Essa linha tende a vincular Bourdieu com outros referenciais.Já a linha Formação de Professores contém seis trabalhos. Nela, a maioria dos trabalhos associam o conceito de habituse o de campo -e todos utilizam pelo menos o conceito de campo. Para esses trabalhos, o conceito de capital não é muito relevante. Assim, infere-se que os trabalhos que abordam a formação de professores se atentam às análises do campo da matemática, as disputas presentes dentro dele e as análises de um possível habitusconstituído através da formação de professores.