https://periodicos.fclar.unesp.br/semaspas/issue/feed Revista Sem Aspas 2023-01-13T18:49:50-03:00 Carlos Henrique Gileno semaspas2017fclar@gmail.com Open Journal Systems <p>A <strong>Revista Sem Aspas <em>(Sem Aspas Journal) </em></strong>é iniciativa dos discentes e docentes do curso de Ciências Sociais da Faculdade de Ciências e Letras (UNESP, campus de Araraquara). A sua primeira publicação impressa foi divulgada no primeiro semestre de 2012. Em 2017, a sua publicação tornou-se periódica eletrônica online ao ingressar na Plataforma SEER/OJS.</p> <p>A revista é publicada continuamente, sendo valorizados os trabalhos acadêmicos nas disciplinas ministradas, na iniciação científica, nos trabalhos de conclusão de curso e nos programas de pós-graduação.</p> <p>A <strong>Revista Sem Aspas</strong> é espaço primordial para a divulgação dos trabalhos de graduação e pós-graduação da Faculdade de Ciências e Letras e de outras instituições de ensino superior nacional e internacional. O Conselho Editorial e Científico aceita para avaliação trabalhos oriundos de pesquisas efetivadas no âmbito da Antropologia, Ciência Política e Sociologia. Os artigos sobre cultura e educação, entre outros, devem estar relacionados a uma daquelas três áreas tronco das Ciências Sociais.</p> <p>É contínuo o fluxo de avaliação dos artigos enviados à revista. O periódico está indexado nas bases de dados <em>Google Scholar</em>, <em>Livre (Periódicos de Livre Acesso)</em>, <em>Diadorim</em>,<em> JURN</em>, <em> Sumários.org</em>,<em> Portal de Periódicos CAPES</em>, <em>BASE (Bielefeld Academic Search Engine)</em>, <em>LATINDEX </em>e <em>ClustrMaps</em>. <em> </em>É filiado à <em>Associação Brasileira de Editores Científicos (ABEC)</em><em> </em>e identificado pelo prefixo DOI (Digital Object Identifier).</p> <p>Em 2021, a <strong>Revista Sem Aspas </strong>é periódico de Publicação Contínua.</p> https://periodicos.fclar.unesp.br/semaspas/article/view/17047 O problema fundamental da política 2022-07-31T10:57:44-03:00 Alexandre Aparecido dos Santos alexandre.sociais@hotmail.com Renata Medeiros Paoliello reluz8@uol.com.br <p>Esse artigo tem por objetivo apresentar caminhos teóricos que possibilitem analisar a prática política enquanto uma agência. Nesse sentido apresenta, uma discussão teórica que aproxima alguns momentos em que os estudos antropológicos se dedicaram a questões próprias ao universo político e as reflexões sobre as práticas políticas e seus modos de produção presentes na obra de Pierre Bourdieu. Desta aproximação, resultam os seguintes entendimentos: i) os modos de produção das práticas políticas permitem entender a existência de uma lógica própria a um possível campo político com regras e pensamentos definidos e legitimamente reconhecidos; ii) os modos de produção das práticas políticas revelam a existência de outras lógicas, outras regras e outros modos de pensar sobre a política e seu funcionamento que não são reconhecidos e, por isso, não são legitimados socialmente.</p> 2022-12-26T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Sem Aspas https://periodicos.fclar.unesp.br/semaspas/article/view/17147 Bourdieu e a estatística 2022-08-30T16:37:33-03:00 Marcela Purini Belem mapurini@gmail.com <p>A face quantitativa dos trabalhos empíricos de Bourdieu são um aspecto essencial de sua obra, parte intrínseca do desenvolvimento de seu modelo teórico-metodológico. O presente artigo revisita as análises estatísticas presentes nos trabalhos de Pierre Bourdieu e apresenta como elas se disseminam no Brasil. Verifica-se como as Análises de Correspondência (AC) e Análise de Correspondência Múltipla (ACM) são ferramentas de análises de dados capazes de expressar a visão do autor sobre a realidade social. Apresenta-se o compromisso do autor com a quantificação e a formalização matemática e como a modelagem geométrica de dados <em>“a la Bourdieu” </em>é utilizada no Brasil.</p> 2022-12-26T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Sem Aspas https://periodicos.fclar.unesp.br/semaspas/article/view/17627 Os capitais detidos por ministros e ministras dos governos Cardoso e Lula 2023-01-13T18:27:28-03:00 Maria Chaves Jardim majardim@fclar.unesp.br Márcio Rogério da Silva marciosilva@ufscar.br <p>O retorno de Lula como presidente da república, nas eleições de outubro de 2022, revitaliza um tema que nunca esteve fora de moda nas ciências sociais, o estudo dos governos Lula, especialmente em comparação com os governos Cardoso. O artigo busca objetivar os principais capitais detidos pelos ministros e ministras do Estado dos períodos Cardoso e Lula, especificando a posição ocupada no espaço socia e a distinção. O estudo dos capitais detidos por estes pode somar esforços aos estudos que buscam entender esse período da história contemporânea. De forma geral, foi possível concluir que os ministros do governo Cardoso, do ponto de vista da posição, têm capitais culturais, econômicos e simbólicos mais elevados sob a ótica do <em>mainstream</em> econômico, configurando um <em>habitus</em> de elite, ao passo que o os ministros Lula possuem menor capital econômico, cultural e simbólico, constituindo um <em>habitus</em> mais popular. Para tanto, realizamos estudo de trajetória desses ministros e em seguida, aplicamos a ACM. Os dados foram analisados a partir da sociologia relacional e praxiológica de Pierre Bourdieu.</p> 2022-12-26T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2023 Revista Sem Aspas https://periodicos.fclar.unesp.br/semaspas/article/view/17040 Consumo e distinção social no espaço digital 2022-07-29T17:40:09-03:00 Ana Lúcia de Castro ana.castro@unesp.br Marina Kuranaga Silva marinakuranaga@gmail.com <p>Partindo do pressuposto de que o consumo - como um dos principais modos pelos quais o habitus pode ser expressado - carrega uma dimensão distintiva, na medida em que indica fronteiras simbólicas e elos de pertença entre os grupos sociais, este artigo busca contribuir para a reflexão sobre algumas dinâmica de distinção na configuração social brasileira contemporânea. Para tanto, toma como universo empírico dois espaços recortados nas redes sociais: um grupo de <em>Facebook</em> relacionado à compra e venda de produtos na 25 de março, famosa rua de comércio popular na cidade de São Paulo, e o perfil no <em>Instagram</em> de uma digital influencer da área de moda e estilo, Maju Trindade.</p> 2022-12-26T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Sem Aspas https://periodicos.fclar.unesp.br/semaspas/article/view/17060 Entre o mainstream e o underground 2022-08-02T17:00:43-03:00 Tiago Barros Rosa tiagobor2013@gmail.com <p>Trata-se de um estudo comparativo entre dois polos do rock brasileiro dos anos 1980 – o <em>mainstream</em> e o <em>underground</em> –, empreendido por meio do estudo da trajetória individual e coletiva dos roqueiros brasileiros do período, em diálogo com conceitos de Pierre Bourdieu, buscando identificar os capitais detidos pelos expoentes do rock que receberam a preferência da indústria fonográfica do período, em comparação com um segundo grupo, que ficou à margem da indústria da música. A pesquisa aponta que os distintos capitais (social, cultural e econômico) detidos pelo primeiro grupo foram condicionantes importantes para o recrutamento destes pela indústria da música, catapultando-os para o sucesso comercial e a consagração artística, em detrimento do segundo grupo, que não dispunha dos mesmos trunfos materiais e simbólicos.</p> 2022-12-26T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Sem Aspas https://periodicos.fclar.unesp.br/semaspas/article/view/17082 A contribuição de Pierre Bourdieu para os estudos de elites no Brasil 2022-08-08T22:04:32-03:00 Gabriela Lanza Porcionato gabiporcionato@gmail.com Paulo José de Carvalho Moura paulo.moura@unesp.br Mateus Tobias Vieira mateus.tobias@unesp.br <p>Este artigo traça um panorama dos estudos sobre elites no Brasil inspirados na teoria e no método relacional de Pierre Bourdieu. A partir de uma revisão bibliográfica das produções e das trajetórias dos pesquisadores, cuja passagem pela França marca uma "primeira geração" de brasileiros em contato direto com Bourdieu. O mapeamento mostra que, ao longo dos anos, ocorre uma diversificação e ampliação tanto das redes de pesquisadores, quanto de temáticas e dos usos metodológicos, que como resultado produz uma "segunda geração" de pesquisadores que serão responsáveis por profundar a conexão Brasil-França através do estreitamento dos laços com herdeiros franceses de Bourdieu, além de ocupar posições em importantes espaços institucionais nacionais, como professores e pós-graduandos em universidades públicas e privadas e nas principais associações da área de Ciências Sociais, o que contribuiu fortemente para estruturar polos formadores que possibilitaram a difusão e a operacionalização do método bourdieusiano para o estudo da questão das elites.</p> 2022-12-26T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Sem Aspas https://periodicos.fclar.unesp.br/semaspas/article/view/17520 Uma análise sobre a financeirização do ensino superior e os efeitos da produção do diploma como um signo de distinção social 2022-11-29T11:20:54-03:00 Janaina de Oliveira janalive@gmail.com Natalia Casagrande nmcasagrande@gmail.com Maria Teresa Miceli Kerbauy teresa.kerbauy@gmail.com <p>A contemporaneidade trouxe transformações nas relações sociais, ciência, tecnologia e educação, produzindo uma nova economia cultural mundanizada e complexa. Este trabalho tem como objetivo apresentar uma discussão entre os sentidos da expansão do ensino superior bem como a financeirização do setor que passa a conceber o ensino como um negócio lucrativo. Esse cenário insere-se nos efeitos da mundialização das finanças, principalmente no ensino superior privado após os anos 2000, quando este setor vivencia a mercadorização e o crescimento de empresas educacionais que desvalorizam o conhecimento em função do lucro, produzindo um ensino de baixa qualidade. Na sociedade capitalista, os bens de consumo carregam em si categorias sociais e valores culturais visto que os altos padrões de consumo entram na competição pelo status de diferenciação social. Isto significa que o consumo via educação possui um valor que é utilizado como signo distintivo perante os seus membros.</p> 2022-12-26T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Sem Aspas https://periodicos.fclar.unesp.br/semaspas/article/view/16839 Revisão bibliográfica da perspectiva teórica de Bourdieu na educação matemática 2022-06-08T18:10:56-03:00 Julia Beatriz Giaccheto Barbieri julia.barbieri@unesp.br <p>Considerando a importância de Bourdieu para a educação, analisamos como o autor é abordado na Educação Matemática e quais são suas possíveis implicações e contribuições para a área, bem como delimitamos quais de seus conceitos principais (<em>habitus</em>, campo, capital econômico, capital cultural, capital simbólico e capital social) são utilizados pelos pesquisadores de Educação Matemática. O levantamento bibliográfico foi realizado através de buscas online nos anais dos principais eventos científicos da área, nos sites dos periódicos de Educação Matemática avaliados de A1 a B2 nas áreas de ensino e de educação na Plataforma Sucupira na Classificações de Periódicos no quadriênio 2013-2016. É possível concluir que Bourdieu é pouco conhecido e adotado na área de Educação Matemática, tanto pela baixa representatividade quantitativa desses estudos quanto pelo número ainda menor de pesquisas que adotam seu modo de trabalho.</p> 2022-12-26T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Sem Aspas https://periodicos.fclar.unesp.br/semaspas/article/view/17628 Pandemia e habitus de classe 2023-01-13T18:32:52-03:00 Bruno Leonardo Fonseca brunofonsecaln@gmail.com <p>Neste artigo, por meio de etnografias e biografia sociológica realizada com Jiboia – um membro das classes populares brasileira –, apresentamos que diante do contexto pandêmico a utilização de máscaras, realização do isolamento social, vacinação e higienização, não são apenas respaldadas pelas condições objetivas de vida, mas também, pelos condicionantes subjetivos de existência quando estes estão associados à <em>desigualdade existencial.</em> Este último, por vez, se estabelece na desigual alocação de respeito, dignidade e valorização da própria vida.</p> 2022-12-26T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2023 Revista Sem Aspas https://periodicos.fclar.unesp.br/semaspas/article/view/17629 O programa Minha Casa, Minha Vida e a sociologia relacional de Pierre Bourdieu 2023-01-13T18:39:22-03:00 James Santos james.washington@ifal.edu.br Nathália Teixeira nefst1@aluno.ifal.edu.br <p>O artigo em questão tem como objeto de pesquisa o Programa habitacional Minha Casa, Minha Vida. O espaço temporal de análise deste programa abarcará os anos de 2009 a 2018 – dentro dos governos Lula e Dilma. Além disso, será também localizado espacialmente, pois as ações construtivas serão vistas a partir do município de Palmeira dos Índios – AL. As variáveis a serem usadas na análise, serão ligadas as questões técnicas da Engenharia Civil, além de questões sociais e políticas, a saber: Produção (relacionada a qualidade); Inspeção (relacionada a fiscalização e a regulação); e efetividade (relacionada responsabilidade estatal – <em>Accountability</em>). Para tanto, faremos uso da ideia de construção social de mercados, presente no livro <em>Estruturas sociais da economia</em>, de Pierre Bourdieu, além das noções de construção social de mercados e direitos, presentes em Polanyi e Marshall, respectivamente. Temos como base metodológica, as abordagens qualitativa e quantitativa, evidenciadas pelo uso de técnicas que envolvem: análise de documentos e observações de campo.</p> 2022-12-26T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2023 Revista Sem Aspas https://periodicos.fclar.unesp.br/semaspas/article/view/17630 Dossiê 2023-01-13T18:49:50-03:00 Maria Chaves Jardim majardim@fclar.unesp.br 2022-12-26T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2023 Revista Sem Aspas