“Com tanta eloquência, com tanta mentira”: Repetição e recategorização em discursos de Fernando Collor

Autores

  • Liana de Andrade Biar Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem, Rio de Janeiro – Rio de Janeiro http://orcid.org/0000-0002-8673-8668
  • Diogo Pinheiro Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Programa de Pós-graduação em Linguística, Rio de Janeiro, – Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.1590/1981-5794-1811-2

Palavras-chave:

Discurso Político, Paralelismo Sintático, Mesclagem Conceptual, Comunicação de Massa, Fernando Collor,

Resumo

No presente artigo, focalizamos um tipo específico de repetição saliente nos discursos políticos de campanha de Fernando Collor de Mello quando das eleições presidenciais de 1989: os paralelismos sintáticos. A partir de um olhar qualitativo e interpretativo para esse fenômeno, e apoiados pela Teoria da Mesclagem Conceptual (FAUCONNIER; TURNER, 2002), investigamos as funções dessa estratégia em um corpus constituído pelos três primeiros programas eleitorais levados ao ar pelo então candidato. Nossa análise sugere que os paralelismos sintáticos desempenham duas funções argumentativas importantes: de um lado, acionam um processo de recategorização de entidades conceptuais/discursivas; de outro, permitem apresentar o resultado desse processo como informação pressuposta, minimizando as chances de refutação e invisibilizando a perspectiva ideológica do que é dito. Essa lente cognitiva para os processos de construção de sentido nos permite mostrar os modos como a performance do ex-presidente atualiza certos lemas da comunicação de massa, aproximando os campos da política e do entretenimento.

Biografia do Autor

Liana de Andrade Biar, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem, Rio de Janeiro – Rio de Janeiro

Professora Adjunta do Programa de Pòs-Graduação em Estudos da Linguagem do Departamento de Letras da PUC-Rio. Área: Linguística Aplicada.

Diogo Pinheiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Programa de Pós-graduação em Linguística, Rio de Janeiro, – Rio de Janeiro

Professor Adjunto do Programa de Pòs-Graduação em Linguística do Departamento de Linguística da UFRJ. Área: Teoria e Análise Linguística, Linguística Cognitiva.

Publicado

13/11/2018

Edição

Seção

Artigos Originais