As vogais médias tônicas do português do século XVII a partir das rimas do cancioneiro barroco A Fénix Renascida

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1981-5794-e12503

Palavras-chave:

Vogais médias tônicas, Português Moderno, Rimas, Variação, Mudança

Resumo

Este artigo investiga a pronúncia das vogais médias tônicas no português do século XVII, a partir da observação das rimas da poesia de então. Como corpus para esta pesquisa foram considerados os poemas seiscentistas agrupados no cancioneiro português A Fénix Renascida ou obras poéticas dos melhores engenhos portugueses. A metodologia adotada neste estudo consistiu, essencialmente, no mapeamento e análise de todas as rimas, no corpus referido, envolvendo vogais médias, na sílaba acentuada. Essas rimas foram comparadas a rimas dos séculos XIII, XV e XVI, analisadas em estudos anteriores da primeira autora deste artigo. Os resultados desta pesquisa sugerem que havia, até o século XVII, pelo menos, intensa variação fonética na pronúncia das vogais médias tônicas da língua portuguesa. Ao longo da história, algumas dessas variações resultaram em mudança, de modo que a variante fixada na pronúncia atual não corresponde à forma etimológica. Em outros casos, no entanto, fixou-se a pronúncia mais antiga da língua.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Simões Fonte, Fundação VUNESP. São Paulo – SP - Brasil

Graduada em Letras pela FCL/UNESP, câmpus de Araraquara, onde também obteve o título de Mestre e Doutora em Linguística e Língua Portuguesa, além de ter desenvolvido pesquisa de Pós-Doutorado e ter atuado como professora colaboradora no departamento de Linguística. Ao longo de sua carreira acadêmica, tem desenvolvido pesquisas na área de Fonologia e Linguística Histórica. Atualmente, é funcionária da Fundação VUNESP, onde atua na área acadêmica.

Gladis Massini-Cagliari, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências e Letras. Araraquara – SP - Brasil

É Bacharel e Licenciada em Letras pelo Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp (1987), onde cursou também o Mestrado e o Doutorado em Linguística. Concluiu o Mestrado em 1991 e o Doutorado, em 1995. Fez Pós-Doutorado na University of Oxford, em 2002-2003. Em 2005, obteve a Livre-Docência em Fonologia, no Departamento de Lingüística, Faculdade de Ciências e Letras, UNESP, Campus de Araraquara, onde exerce atualmente a função de Professor Titular (concurso realizado em outubro de 2015). Suas atividades incluem a atuação como: coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Linguística e Língua Portuguesa da Faculdade de Ciências e Letras da UNESP-Araraquara, de 2004 a 2007; Vice-Presidente do Grupo de Estudos Lingüísticos do Estado de São Paulo (biênio 2005-2007) e editora da revista Estudos Linguísticos (2005-2007); membro do Comitê de Avaliação da Capes, área de Letras e Lingüística (2005-2010); coordenadora do Grupo de Trabalho em Estudos Medievais da ANPOLL - Associação de Pesquisa e Pós-Graduação em Letras e Linguística, de agosto de 2008 a julho de 2012; co-editora da revista Alfa (A1) (2012-2016). É coordenadora do Grupo de Pesquisa Fonologia do Português: Arcaico & Brasileiro. Atua como membro do Comitê Assessor da área de Letras e Linguística (CA-LL) do CNPq (2016-2019). É autora de 6 livros e organizadora de outros 8, tendo publicado diversos artigos em periódicos, capítulos de livros e textos completos em anais, no Brasil e no exterior, nas áreas de Linguística Histórica, Fonologia, Alfabetização. Sua pesquisa está concentrada principalmente na busca de pistas nos registros das cantigas medievais profanas e religiosas que permitam vislumbrar a história do ritmo e da prosódia do português, de suas origens até os dias de hoje. Atualmente, é Pró-Reitora de Graduação da UNESP (gestão 2017-2021).

Publicado

30/04/2021

Como Citar

FONTE, J. S.; MASSINI-CAGLIARI, G. As vogais médias tônicas do português do século XVII a partir das rimas do cancioneiro barroco A Fénix Renascida. ALFA: Revista de Linguística, São Paulo, v. 65, 2021. DOI: 10.1590/1981-5794-e12503. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/alfa/article/view/12503. Acesso em: 1 ago. 2021.

Edição

Seção

Artigos Originais