A iniciação científica nos contextos da educação básica e superior

dos documentos oficiais aos aspectos formativos

Autores

  • Evandro Gonçalves Leite Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN), Campus Pau dos Ferros, Pau dos Ferros - RN - Brasil. https://orcid.org/0000-0002-4240-7904
  • Regina Celi Mendes Pereira Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Campus I, João Pessoa - PB - Brasil. https://orcid.org/0000-0002-5538-035X
  • Maria do Socorro Maia Fernandes Barbosa Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), Campus de Pau dos Ferros, Pau dos Ferros - RN – Brasil. https://orcid.org/0000-0003-2261-5658

DOI:

https://doi.org/10.1590/1981-5794-e13679

Palavras-chave:

letramento, letramento acadêmico, iniciação científica, ensino médio, ensino superior

Resumo

A iniciação científica, tradicionalmente implementada no ensino superior, temse feito presente também no nível médio de ensino. Com base nessa realidade, objetivamos analisar, comparativamente, a iniciação científica nesses dois contextos, quanto a seus princípios e diretrizes, preconizados em documentos oficiais, e a aspectos formativos nas práticas educativas. Para isso, selecionamos, dos dois níveis de ensino, documentos oficiais que tratam dessa política de educação científica, assim como relatórios finais de projetos de iniciação científica da área de Linguística e Literatura. Tais dados são analisados a partir de reflexões sobre educação pela pesquisa e de estudos sobre letramento e letramento acadêmico, mediante abordagem qualitativo-interpretativista. As análises indicam que os documentos oficiais, em ambos os contextos, se fundamentam em concepções semelhantes, principalmente a pesquisa como princípio pedagógico, mas há diferenças de investimento, significativamente maior na educação superior. Os relatórios, por sua vez, sugerem a realização de atividades/rotinas parecidas no processo de construção e socialização do conhecimento científico, materializadas em textos que evidenciam conhecimentos e dificuldades que independem do nível de ensino. Na situação por nós investigada, portanto, há mais semelhanças do que diferenças entre a iniciação científica no ensino médio e superior, principalmente quanto aos aspectos formativos, apesar de desenvolver-se em ambientes diferentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Evandro Gonçalves Leite, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN), Campus Pau dos Ferros, Pau dos Ferros - RN - Brasil.

Professor de Língua Portuguesa e Literatura do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte - Campus Pau dos Ferros. Mestre em Linguística pela Universidade Federal da Paraíba. Doutor em Letras pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte.

Regina Celi Mendes Pereira, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Campus I, João Pessoa - PB - Brasil.

Doutora em Letras pela UFPE (2005) e Mestre pela UFPB (1997), onde atua na graduação e na pós-Graduação em Linguística (PROLING/UFPB). É bolsista de produtividade em pesquisa 1D do CNPq, uma das líderes do GELIT/CNPq/PROLING-UFPB, membro do grupo ALTER (USP) e editora da Revista Prolíngua.

Maria do Socorro Maia Fernandes Barbosa, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), Campus de Pau dos Ferros, Pau dos Ferros - RN – Brasil.

Mestre e Doutora em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Professora do Departamento de Letras Estrangeiras do Campus Pau dos Ferros da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, onde atua no curso de Letras, no Programa de Pós-Graduação em Letras e no Programa de Mestrado Profissional em Letras. Pesquisadora do Grupo de Estudos do Discurso (GRED/UERN).

Publicado

23/02/2022

Como Citar

LEITE, E. G.; PEREIRA, R. C. M.; BARBOSA, M. do S. M. F. A iniciação científica nos contextos da educação básica e superior: dos documentos oficiais aos aspectos formativos. ALFA: Revista de Linguística, São Paulo, v. 66, 2022. DOI: 10.1590/1981-5794-e13679. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/alfa/article/view/13679. Acesso em: 3 jul. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais