Processos de dessubjetivação de sujeitos negros do Marabaixo

Autores

  • Ednaldo Tartaglia Universidade Federal do Amapá (UNIFAP), Campi Santana e Marco Zero. Santana-Macapá - AP - Brasil. https://orcid.org/0000-0003-3349-242X

DOI:

https://doi.org/10.1590/1981-5794-e14057

Palavras-chave:

discursos, dessubjetivação, negros do Marabaixo, Amazônia

Resumo

Neste trabalho, objetivou-se pôr em visibilidade os processos de dessubjetivação de sujeitos negros amazônicos em acontecimentos envolvendo exercícios de poder a partir do período denominado de Era Vargas. Esses acontecimentos envolveram os sujeitos negros do Marabaixo de Macapá, estado do Amapá, Brasil. O Marabaixo é, na atualidade, o maior conjunto de práticas festivas e religiosas afro-amapaense em devoção aos santos da Igreja Católica. Utilizou-se como referencial teórico a análise discursiva de linha foucaultiana e foram mobilizados os termos conceituais de dessubjetivação (FOUCAULT, 2010; DELEUZE, 1988; AGAMBEN, 2005; MILANEZ, 2013), acontecimento e poder (FOUCAULT, 2015a, 2013, 2005) aplicados a materialidades discursivas diversas, como textos científicos, reportagem televisiva, cantiga popular e imagens. A análise sinalizou que o processo de dessubjetivação deu-se por um exercício de poder pelas forças do Estado e também da Igreja. Isso, entretanto, resultou em exercícios de resistência pelos sujeitos negros amazônicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ednaldo Tartaglia, Universidade Federal do Amapá (UNIFAP), Campi Santana e Marco Zero. Santana-Macapá - AP - Brasil.

Professor Doutor do Curso de Letras Português da Universidade Federal do Amapá – UNIFAP, Campus Santana, e do Programa de Pós-Graduação em Letras – PPGLET/UNIFAP, Campus Marco Zero do Equador. Líder do Núcleo de Estudos Linguísticos na Amazônia - NELAM/UNIFAP e integrante do Grupo de Estudos Foucaultianos da – GEF/UEM.

Publicado

08/03/2022

Como Citar

TARTAGLIA, E. Processos de dessubjetivação de sujeitos negros do Marabaixo. ALFA: Revista de Linguística, São Paulo, v. 66, 2022. DOI: 10.1590/1981-5794-e14057. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/alfa/article/view/14057. Acesso em: 25 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais