Do livro à tese de Bakhtin sobre Rabelais (1930-1952)

projeto, contexto, desfecho

Autores

  • Sheila Vieira de Camargo Grillo Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). São Paulo - SP - Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.1590/1981-5794-e15167

Palavras-chave:

M. Bakhtin, livro sobre Rabelais, contexto

Resumo

Recuperar parte do contexto de escrita do livro “A cultura popular na Idade Média e no Renascimento. O contexto de François Rabelais” (1965), compreendido entre 1930 e 1952, é a tarefa a que nos propomos neste artigo. Essa tarefa justifica-se por oferecer ao público brasileiro o conhecimento da relação estreita entre a teoria do romance e o trabalho sobre Rabelais, bem como das circunstâncias em que o texto foi escrito. A pesquisa de caráter historiográfico ancora-se em fontes primárias e secundárias e reconhece sua natureza inconclusa e provisória. Os resultados revelaram: a conexão estreita entre a teoria do romance elaborada nos anos 1930 e o livro sobre Rabelais; o fato de que “Problemas da criação de Dostoiévski” (BAKHTIN, 2000[1929]) entrou para a história da teoria literária soviética logo após sua publicação; a personalidade científica de Mikhail Bakhtin; a dimensão revolucionária da obra de François Rabelais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

11/08/2022

Como Citar

GRILLO, S. V. de C. Do livro à tese de Bakhtin sobre Rabelais (1930-1952): projeto, contexto, desfecho. ALFA: Revista de Linguística, São Paulo, v. 66, 2022. DOI: 10.1590/1981-5794-e15167. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/alfa/article/view/15167. Acesso em: 4 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais