Estratégias prosódicas da leitura em voz alta e da fala espontânea

Autores

  • Waldemar Ferreira Netto USP - Universidade de São Paulo/São Paulo - SP
  • Fernanda Consoni USP - Universidade de São Paulo/São Paulo - SP

Palavras-chave:

Fonologia, Prosódia, Fala espontânea, Leitura,

Resumo

O presente trabalho tem como objeto a análise prosódica comparada entre leitura em voz alta e fala espontânea, tendo em vista a hipótese de que se os aspectos prosódicos característicos da fala não estão presentes em grande parte das manifestações materiais da linguagem, na leitura de textos em voz alta, o leitor tem de, necessariamente, criar a prosódia para o texto a partir de suas hipóteses, seguindo princípios específicos, especialmente no que diz respeito à variação de freqüência. A partir de um procedimento estabelecido de análise automáticas, as análises realizadas apontaram que a variação da freqüência nos textos lidos é mais aguda do que a da fala espontânea e que a relação entre a freqüência média e a freqüência final na leitura aproxima-se mais da relação entre tom dominante e tom fundamental da escala diatônica ocidental, estabelecendo uma cadência harmônica perfeita para a finalização das frases. Esses resultados apontam para a associação das intuições do leitor às suas formas prosódicas prototípicas definidas no período de aquisição da linguagem.

Downloads

Publicado

10/06/2009

Edição

Seção

Artigos Originais