Experimento dialógico de Dostoiévski no cinema

entre a polifonia e a polimorfia

Autores

  • Irene Machado Universidade de São Paulo (USP), Escola de Comunicações e Artes, Campus Butantã. São Paulo – SP – Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.1590/1981-5794-e15534

Palavras-chave:

Dostoiévski, romance, princípio dialógico, experimento polifônico, polimorfia, tradução intersemiótica, cinema

Resumo

O presente ensaio indaga sobre as possibilidades de as obras de Dostoiévski serem traduzidas intersemioticamente pela linguagem audiovisual do cinema, respeitando-se o princípio dialógico criado pelo escritor e a noção de polimorfismo das recriações fílmicas. Para isso, contesta as adaptações baseadas num conteúdo temático simplificado em que a composição é reduzida ao monologismo característico de práticas herdadas das transposições de obras dostoievskianas para o teatro desde o século XIX. Baseadas no método de decupagem, tal simplificação elimina os conflitos psíquicos e a complexidade dialógico-discursiva do texto romanesco. Aproxima-se, assim, do cine-lubok, uma vertente do cinema russo do início do século XX que procurou levar a obra de Dostoiévski para grandes esferas da população por meio de um trabalho de linguagem concentrado no diálogo. A análise segue os fundamentos teóricos da tradução intersemiótica e do princípio dialógico para examinar duas versões fílmicas do romance O idiota e uma de Crime e castigo, acompanhando uma trajetória que se inicia no primeiro cinema russo, atravessa o período soviético e chega ao final do século XX. Como resultado, equaciona os procedimentos da linguagem audiovisual com os processos criativos que, no cinema, se aproximam das conquistas do experimento polifônico e da dialogia discursiva dos romances.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Irene Machado, Universidade de São Paulo (USP), Escola de Comunicações e Artes, Campus Butantã. São Paulo – SP – Brasil.

Professora Livre-Docente em Ciências da Comunicação, Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo; Pesquisadora CNPq, PQ 1D; Professora do PPG em Meios e Processos Audiovisuais da USP.

Publicado

11/10/2022

Como Citar

MACHADO, I. Experimento dialógico de Dostoiévski no cinema: entre a polifonia e a polimorfia. ALFA: Revista de Linguística, São Paulo, v. 66, 2022. DOI: 10.1590/1981-5794-e15534. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/alfa/article/view/15534. Acesso em: 5 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais