Análise de categorias de pertença (ACP) em estudos de linguagem e gênero: a (des)construção discursiva do homogêneo masculino

Autores

  • Mariléia Sell UNISINOS - Universidade do Vale do Rio dos Sinos/Novo Hamburgo - RS
  • Ana Cristina Ostermann UNISINOS - Universidade do Vale do Rio dos Sinos/São Leopoldo - RS

Palavras-chave:

Análise de categorias de pertença (ACP), Análise da conversa (AC), Fala-em-interação, Gênero, Sexualidade, Homogeneidade, Etnometodologia,

Resumo

Estudos sobre as relações entre linguagem, gênero e, agora, sexualidade, a partir de uma perspectiva etnometodológica, trouxeram mudanças profundas na maneira como são compreendidas essas relações. Gênero, não mais visto como natural e pré-discursivo, passa a ser entendido como uma construção social, negociada, atualizada, reifi cada e/ou refutada a cada interação. Essa transformação epistemológica das concepções de gênero e sexualidade em sua ligação com a linguagem requer instrumentos analíticos adequados. Para entender como as identidades de gênero são negociadas na esfera da fala-em-interação, apresentamos a relevância da Análise de Categorias de Pertença, quando aliada à Análise da Conversa (SACKS, 1992), por meio da análise de interações entre uma psicóloga e candidatos à vasectomia em um posto do SUS. Trata-se de consultas em que pacientes buscam o seu aval de sanidade mental para conseguirem o direito à vasectomia pelo Programa Nacional de Planejamento Familiar. Pela ação de “categorizar” observada nessas interações, é possível perceber a ordem social generifi cada, ou seja, as concepções normativas de gênero que operam em contextos macro-sociais e que são trazidas para a micro-esfera interacional. Categorizar é, assim, uma ação explícita ou implícita de exercitar a agentividade (BUTLER, 1990) no mundo, expondo a tensão entre as vivências de cada um e as expectativas convencionais de performances de gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

03/07/2009

Edição

Seção

Artigos Originais