Subjetividade e construções de futuro no português brasileiro

Autores

  • Lilian Vieira Ferrari UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro/Rio de Janeiro - RJ
  • Karen Sampaio Braga Alonso UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro/Rio de Janeiro - RJ

Palavras-chave:

Construções gramaticais, Futuro perifrástico, Futuro morfológico, Subjetividade,

Resumo

Este trabalho enfoca construções de futuro no português brasileiro, com base no modelo de gramática de construções proposto por Goldberg (1995, 2006) e na teoria dos espaços mentais (FAUCONNIER, 1994, 1997). Partindo da noção de subjetividade como projeção ascendente de informação na confi guração de espaços mentais (FERRARI; SWEETSER, 2008), argumentamos que as construções perifrásticas de futuro são mais subjetivas do que as construções de futuro morfológico. Em seguida, estabelecemos que a forma mais gramaticalizada do futuro perifrástico [ir + infinitivo] faz parte de uma rede construcional [(SN) AUXILIAR INFINITIVO (X)], da qual também fazem parte outras construções perifrásticas que permitem inferências de futuro, tais como [poder/dever + infinitivo]. Por fim, demonstramos que as construções perifrásticas diferem quanto ao tipo de informação que adicionam aos espaços epistêmicos e de ato de fala, que se caracterizam como espaços implícitos que configuram a base complexa (BSCN) ou Ground.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

06/07/2009

Como Citar

FERRARI, L. V.; ALONSO, K. S. B. Subjetividade e construções de futuro no português brasileiro. ALFA: Revista de Linguística, São Paulo, v. 53, n. 1, 2009. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/alfa/article/view/1685. Acesso em: 24 jul. 2021.

Edição

Seção

Artigos Originais