Atribuição de foco no português e no inglês falado

Autores

  • Roberto Gomes Camacho
  • Patrícia Fernanda Cherubini Brentan

Palavras-chave:

Língua falada, ordem de palavras, função pragmática, foco,

Resumo

Examinam-se, neste trabalho, as construções marcadas de atribuição de foco na língua falada, comparando-se o português e o inglês, com o objetivo de estabelecer um padrão tipológico de comportamento funcional, com base na GF de Dik (1997), e na RRG, de Van Valin e Lapolla (1997). Na concepção da RRG, tanto o português quanto o inglês são línguas de estrutura de foco flexível, em virtude de o constituinte focal incidir, sem restrições, sobre qualquer constituinte da oração; e de rigidez sintática, em virtude de apresentarem ambas uma ordem fixa de palavras - a ordem SVO - que não precisa ser necessariamente modificada para acomodar a expressão focal. Os resultados demonstram que, a despeito dessas similaridades, o português e o inglês se situam em diferentes pontos de um continuum: o português dispõe de uma sintaxe menos rígida e de foco menos flexível que o inglês. Além disso, a interação entre a natureza dos mecanismos de focalização e seu escopo com o grau de rigidez da estrutura sintática mostra que é muito pertinente a aproximação entre a GF de Dik e a RRG de Van Valin e Lapolla.

Downloads