Integração conceptual na descrição de fenômenos gramaticais do português

Antônio Suárez Abreu

Resumo


A Gramática funcional tem atualmente grande aceitação nos meios linguísticos, principalmente por ser capaz de esclarecer a motivação de fatos gramaticais na construção de um texto. A partir dela, deixa-se a tradição de estudar a gramática pela gramática. Pronomes demonstrativos, por exemplo, passam a ser vistos como ferramentas eficazes de coesão textual, retomando anaforicamente termos de orações anteriores. Essa tarefa, contudo, acaba deixando pelo caminho um rastro infindável de “caixas pretas”. Como explicar a origem do funcionamento anafórico dos demonstrativos, se eles servem originalmente, na língua falada, para apontar coisas ou pessoas em relação à posição espacial dos interlocutores? O objetivo deste trabalho é mostrar que a Linguística Cognitiva surge justamente como uma opção de abertura dessas caixas pretas. No presente artigo, escolhi um de seus tópicos, a teoria da integração conceptual (blending) para defender essa possibilidade. Nessa tarefa, achei necessário, em primeiro lugar, integrar o modelo cognitivista dentro da Teoria da Complexidade, de acordo com Bybee (2010) e Castilho (2009), que defendem a linguagem humana como um sistema adaptativo complexo. Depois disso, faço uma breve descrição atualizada da teoria da integração conceptual e proponho sua aplicação a alguns fatos gramaticais da língua portuguesa, no nível morfológico e sintático.

Palavras-chave


Integração conceptual; Blending; Complexidade; Gramática do português;

Texto completo:

PDF


E-ISSN: 1981-5794