Diglossia em tempos de mudança? O caso da interpolação em Duarte Galvão, Pero Magalhães de Gandavo, Francisco de Holanda e Diogo do Couto

Autores

  • Cristiane Namiuti-Temponi UESB – Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Departamento de Estudos Linguísticos e Literários. Vitória da Conquista – BA – Brasil

Palavras-chave:

Sintaxe, Interpolação, Mudança sintática, Diacronia, Gramática gerativa,

Resumo

De acordo com Castro (1991) e Cardeira (2005), o século XV e a primeira metade do XVI são um período de transição da língua medieval para a clássica, no qual coexistem formas próprias da etapa anterior com formas que já anunciam o português do período clássico. Inspirados nas reflexões de Castro (1991) e Cardeira (2005) e também na ideia de competição de gramáticas delineada por Kroch (1994), argumentamos que um período de transição deverá caracterizar-se pela instabilidade resultante da conjugação dos sinais de renovação que se cruzam com a permanência da gramática antiga. Apresentaremos, neste artigo, alguns indícios provenientes da sintaxe dos clíticos em textos de autores nascidos entre o século XV e XVI que podem corroborar a hipótese de instabilidade gramatical e competição de gramáticas nessa época.

Downloads

Edição

Seção

Artigos Originais