Mudança de estrutura moraica do latim ao português

Autores

  • Evellyne Patrícia Figueiredo de Sousa Costa UFSM – Universidade Federal de Santa Maria. Centro de Artes e Letras – Departamento de Letras Clássicas e Linguística – RS – Brasil

Palavras-chave:

Mudança, Latim, Estrutura moraica, Moras, Português,

Resumo

Este estudo tem como objetivo investigar a evolução da estrutura moraica do latim ao português. A língua latina apresenta distinção quantitativa vocálica e consonantal: (i) sílabas leves, portadoras de uma mora (e.le.men.tum); (ii) sílabas pesadas, portadoras de duas moras (bul.ga); (iii) sílabas superpesadas, portadoras de três moras segundo a nossa proposta (paul.lum). Diacronicamente, há a perda da distintividade quantitativa dentre as vogais e, na passagem às línguas neorromânicas, a estrutura moraica tem seus efeitos. Diante desse cenário e a partir dos pressupostos da Teoria Moraica de Hayes (1989), investigamos os efeitos dessa mudança através de processos fonológicos envolvidos, tais como ditongação e monotongação. A Teoria Moraica busca caracterizar de que modo as línguas atribuem estrutura moraica e que princípios atuam nessas línguas. Hayes (1989) define mora como uma unidade de peso do tier prosódico que caracteriza o contraste entre sílabas longas e breves, além de contar como uma posição fonológica (segmento longo é representado como duplamente ligado). Propomos que as escolhas feitas pela língua portuguesa, tais como ditongação e monotongação, para lidar com a estrutura moraica latina já estão disponíveis em latim vulgar e que princípios como Stray Erasure e Parasitic Delinking, relacionados com Licenciamento Prosódico atuam na referida mudança.

Downloads

Edição

Seção

Artigos Originais