Concordância nominal e verbal: contribuições para o debate sobre o estatuto da variação em três variedades urbanas do português

Silvia Figueiredo Brandão, Silvia Rodrigues Vieira

Resumo


Focalizam-se a concordância nominal de número e a concordância verbal de terceira pessoa do plural em variedades urbanas do Português Europeu, do Português do Brasil e do Português de São Tomé, com base na fala de indivíduos de níveis fundamental, médio e superior de instrução, distribuídos, ainda, por três faixas etárias e sexo. Com o objetivo de descrever as referidas variedades, o trabalho avalia as motivações de natureza estrutural e social segundo os pressupostos da Teoria da Variação e Mudança (WEINREICH; LABOV; HERZOG, 1968). Os resultados das diferentes análises, desenvolvidas no âmbito do Projeto Estudo comparado dos padrões de concordância em variedades africanas, brasileiras e europeias do Português, sugerem que, embora as três variedades manifestem tendência à adoção da regra de concordância tanto no Sintagma Nominal quanto no Sintagma Verbal, a concordância apresenta estatuto diferenciado. No Português Europeu, os dados revelam um comportamento que não pode ser considerado efetivamente variável – trata-se, nos termos de Labov (2003), de uma regra categórica no âmbito da concordância nominal e semicategórica no âmbito da verbal; no Português do Brasil e no Português de São Tomé, ambas as regras são variáveis.


Palavras-chave


Concordância nominal; Concordância verbal; Sociolinguística; Variedades do Português;

Texto completo:

PDF


E-ISSN: 1981-5794