Restrições à posição de Streps temporais na modalidade falada

Autores

  • Maria da Conceição de Paiva UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro – RJ – Brasil

Palavras-chave:

Spreps temporais, Posição, Variação, Peso,

Resumo

Diversos estudos sobre ordem de palavras atestam a importância do princípio peso final, segundo o qual constituintes mais pesados se situam na posição final da oração. Neste artigo, trazemos algumas evidências de que esse princípio explica a posição variável de sintagmas preposicionais temporais no português brasileiro falado. A ordem desses constituintes é analisada sob duas perspectivas: consideramos, inicialmente, sentenças que contêm apenas o Sprep temporal em diferentes posições; num segundo momento, estendemos a análise às sentenças em que Spreps temporais pós-verbais coocorrem com circunstanciais de lugar e de modo. Por meio de uma análise quantitativa, mensuramos o efeito da variável extensão do Sprep temporal, considerada em termos de número de palavras, sobre a posição que esse constituinte ocupa na oração. A análise mostra que o efeito do princípio peso final (end weight) é particularmente notável nas orações em que o Sprep temporal coocorre com outros circunstanciais, como os de lugar e de modo, superando restrições de natureza sintática e semântica.

Downloads

Edição

Seção

Artigos Originais