Subjetividade e intersubjetividade em condicionais: alternâncias entre presente e futuro no português brasileiro

Autores

  • Lilian Ferrari UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Faculdade de Letras – Departamento de Linguística. Rio de Janeiro – RJ – Brasil
  • Paloma de Almeida UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Faculdade de Letras – Departamento de Linguística. Rio de Janeiro – RJ – Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.1590/1981-5794-1502-4

Palavras-chave:

Linguística Cognitiva, Espaços mentais, Condicionais, Tempo verbal, Subjetividade, Intersubjetividade,

Resumo

Este trabalho enfoca construções condicionais do português brasileiro, sob a perspectiva teórica da Linguística Cognitiva. A investigação tem como base a Teoria dos Espaços Mentais (Fauconnier 1994, 1997; Fauconnier e Sweetser 1996), a partir de estudos sobre relações causais entre espaços condicionais (Sweetser 1990; Dancygier 1998; Dancygier e Sweetser, 2005), de contribuições recentes sobre subjetividade e intersubjetividade (Langacker 1990; Traugott e Dasher 2005, Verhagen 2005) e seus desdobramentos em termos da noção de Base Comunicativa (Sanders, Sanders e Sweetser, 2009; Autor e xxx, 2012). A partir de corpora escritos formados por textos jornalísticos e literários, a pesquisa enfoca condicionais que admitem alternância entre futuro do subjuntivo e presente do indicativo, na prótase, e entre futuro do indicativo e  presente do indicativo, na apódose.  O principal argumento do trabalho é que as condicionais investigadas refletem a perspectiva subjetiva e/ou intersubjetiva do falante, associada à projeção ascendente de informação na Base Comunicativa.

Biografia do Autor

Lilian Ferrari, UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Faculdade de Letras – Departamento de Linguística. Rio de Janeiro – RJ – Brasil

Membro do Departamento de Linguística - UFRJ

Membro efetivo do Programa de Pós-graduação em Linguística - UFRJ

 

Publicado

23/02/2015

Edição

Seção

Artigos Originais