Variabilidade e dispersão vocálica em Português Brasileiro e Inglês Britânico: um estudo de caso

Autores

  • Adriana Silvia Marusso UFOP - Universidade Federal de Ouro Preto. Instituto de Ciências Humanas e Sociais - Departamento de Letras. Mariana - MG - Brasil. 35420-000

DOI:

https://doi.org/10.1590/1981-5794-1604-8

Palavras-chave:

Variabilidade vocálica, Dispersão vocálica, Análise acústica,

Resumo

Este artigo objetiva discutir o efeito do tamanho do inventário no espaço acústico de línguas com inventários vocálicos de tamanhos diferentes: português com sete e inglês com onze vogais orais. Partindo das predições da Teoria de Dispersão Vocálica, este estudo analisa acusticamente a variabilidade e dispersão vocálica nessas duas línguas. Contrariamente ao previsto pela teoria sobre a variabilidade vocálica, em nossos dados, a realização fonética das vogais do sistema vocálico maior (inglês) é menos precisa e apresenta maior variabilidade que as do português. Quanto à dispersão vocálica, também contrariando o previsto, as vogais do português estão mais dispersas e periféricas cobrindo uma área acústica maior que as do inglês. Nossos resultados estão em consonância com trabalhos que questionam a comprovação empírica das predições da Teoria de Dispersão. Nosso avanço é quanto à interpretação dos fatos. Levanta-se a hipótese que os sistemas vocálicos do inglês e português estejam parcialmente instáveis atualmente, entretanto, a Teoria de Dispersão não captura esses fatos por estar mais pautada em fonemas estanques que em alofones variáveis. Possivelmente, uma abordagem teórica que entenda as línguas como sistemas dinâmicos e complexos (ELLIS; LARSENFREEMAN, 2009) ofereça elementos mais sólidos para a compreensão dos fatos apresentados. Tal proposta será fomentada futuramente.

Biografia do Autor

Adriana Silvia Marusso, UFOP - Universidade Federal de Ouro Preto. Instituto de Ciências Humanas e Sociais - Departamento de Letras. Mariana - MG - Brasil. 35420-000

Possui mestrado em Programa de Pós-Graduação em Letras: Estudos Lingüísticos pela Universidade Federal de Minas Gerais (1995) e doutorado em Estudos Lingüísticos pela Universidade Federal de Minas Gerais (2003). Em 2013-2014 realizou seu estágio pós-doutoral no Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos, da Universidade Federal de Minas Gerais, sob a supervisão da Professora Doutora Thaïs Cristófaro-Silva. Atualmente é professor associado nível II da Universidade Federal de Ouro Preto. Tem experiência na área de Lingüística, com ênfase em Fonética e Fonologia, atuando principalmente nos seguintes temas: aspectos sonoros do português brasileiro, do inglês e do espanhol, análise acústica e ensino de língua estrangeira, ensino de pronúncia.

Publicado

25/04/2016

Edição

Seção

Artigos Originais