A conjugação de verbos irregulares por crianças falantes nativas de português brasileiro: um estudo sob o viés da fonologia e morfologia lexical

Autores

  • Tamires Pereira Duarte Goulart Universidade Católica de Pelotas (UCPEL), Programa de Pós-Graduação em Letras, Pelotas – Rio Grande do Sul http://orcid.org/0000-0002-7222-6565
  • Carmen Lúcia Barreto Matzenauer Universidade Católica de Pelotas (UCPEL), Programa de Pós-Graduação em Letras, Pelotas – Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.1590/1981-5794-1804-8

Palavras-chave:

Aquisição morfofonológica, Verbos irregulares, Fonologia e Morfologia Lexical,

Resumo

Este estudo investiga o processo de aquisição de verbos irregulares do Português Brasileiro (PB), quando conjugados nos tempos Presente do Indicativo, Presente do Subjuntivo e Pretérito Perfeito do Indicativo, por crianças falantes nativas da língua, com o objetivo de descrever e analisar, sob o enfoque da Fonologia e Morfologia Lexical (Lexical Phonology and Morphology - LPM), a relação morfofonológica presente nas flexões dos verbos irregulares. Os dados revelam que os fenômenos linguísticos de origem morfofonológica são de alta complexidade para os falantes e podem ser considerados como processos de aquisição tardia pelas crianças brasileiras. Por meio da LPM compreendemos que a regularização verbal, uma das manifestações das conjugações irregulares, pode ser explicada pela não-correspondência entre os níveis fonológico e morfológico da língua.

Biografia do Autor

Tamires Pereira Duarte Goulart, Universidade Católica de Pelotas (UCPEL), Programa de Pós-Graduação em Letras, Pelotas – Rio Grande do Sul

MESTRA EM LETRAS - LINGUÍSTICA APLICADA - UCPEL

PROFESSORA TUTORA EAD UFPEL

PROFESSORA MUNICIPAL

Carmen Lúcia Barreto Matzenauer, Universidade Católica de Pelotas (UCPEL), Programa de Pós-Graduação em Letras, Pelotas – Rio Grande do Sul

Doutora em Linguística e Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Atualmente é Professora Titular da Universidade Católica de Pelotas. Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Fonética e Fonologia.

Publicado

25/04/2018

Edição

Seção

Artigos Originais