Perspectivas retórico-discursivas para o estudo da patemização

Autores

  • Mário Acrisio Alves Junior Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Programa de Pós-graduação em Linguística, campus Goiabeiras, Vitória - Espírito Santo
  • Micheline Mattedi Tomazi Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Programa de Pós-graduação em Linguística, campus Goiabeiras, Vitória - Espírito Santo

DOI:

https://doi.org/10.1590/1981-5794-1804-2

Palavras-chave:

Pathos, Logos, Nova Retórica, Sofística, Semiolinguística,

Resumo

Tomando como ponto de partida as reflexões sobre a dimensão patêmica do discurso, este artigo focaliza a discussão sobre as três provas retóricas de persuasão – logos, pathos e ethos –, buscando argumentar em favor de sua integração, a partir de contribuições advindas tanto da Nova Retórica e da Sofística quanto da Teoria Semiolinguística do Discurso. Recusando a perspectiva dicotômica do paradigma cartesiano, nosso objetivo principal é realçar a necessidade de concebermos uma relação de interdependência entre o pathos e o logos. Para ilustrar nossa proposta, procedemos, após exposição teórica sobre o tema, ao exame de excertos de uma crônica jornalística, na expectativa de reforçar a legitimidade do assunto em apreço e de confirmar a necessidade de debates e demonstrações mais consistentes. Elegidas as categorias da intergenericidade e da metáfora como estruturas discursivas representativas do logos, a análise permite observar seu desdobramento em efeitos de patemização, concebidos aqui como efeitos de sentido.

Biografia do Autor

Mário Acrisio Alves Junior, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Programa de Pós-graduação em Linguística, campus Goiabeiras, Vitória - Espírito Santo

Doutor em Língua Portuguesa (UFRJ/2015). Professor Recém-Doutor no Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da Universidade Federal do Espírito Santo.

Micheline Mattedi Tomazi, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Programa de Pós-graduação em Linguística, campus Goiabeiras, Vitória - Espírito Santo

Doutora em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal Fluminenense. Professora permenente do Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da Universidade Federal do Espírito Santo.

Publicado

25/04/2018

Edição

Seção

Artigos Originais