Empresa não financeira, tecnologia e condição periférica: dilemas e entraves no cenário internacional contemporâneo

Andréia Rafaela Martins Silva Andrade

Resumo


A partir da compreensão de que a globalização trouxe o nascimento da empresa não financeira, percebe-se que o modus operandi dos sistemas produtivo e tecnológico globais, a partir de então, passaram por importantes mudanças, as quais impactaram países centrais e periféricos de formas diferentes. Assim, juntamente com a globalização, nasceu também a financeirização, o novo modo de atuação das Empresas Transnacionais e as Cadeias Globais de Valor, que revelaram que nesse novo momento da dinâmica capitalista global, iniciada nos anos 1980 e que perdura até os dias atuais, pouco espaço há para uma atuação mais virtuosa por parte dos países periféricos. Estes, por sua vez, permanecem, mais do que em outro momento da história, presos numa dependência em relação aos países centrais e incapacitados de fomentar um desenvolvimento minimamente autônomo, sistêmico e pujante. Na verdade, a questão do hiato e das assimetrias – tecnológicas ou outras – apenas ganharam uma nova roupagem dentro dessa nova dinâmica do capital que, de forma constante, busca pela captura de riqueza.

Palavras-chave


Empresa não financeira; Financeirização; Tecnologia; Periferia; Desenvolvimento;

Texto completo:

PDF


E-ISSN: 2358-5951