Escritoras de avental: nota sobre o testemunho de uma doméstica

Sônia Roncador

Resumo


Se observarmos os gostos e preferências genéricas da crítica acadêmica brasileira, podemos notar uma quase indiferença à literatura de testemunho, ou simplesmente testemunho, o que tem levado alguns críticos interessados em defender os atributos literários desse gênero, ou em defendê-lo como literatura, a associá-lo à forma já legitimada da autobiografia. Neste ensaio, interessa-nos estudar as especificidades do testemunho a partir de A luta que me fez crescer (1999), escrito por Cornelia Parisius com base em entrevistas feitas à militante e empregada doméstica Lenira Carvalho. Num momento como o nosso, de reavaliação das formas em que a literatura foi institucionalizada neste país, o testemunho 7apresenta alguns desafios teóricos importantes; para a crítica feminista, esse gênero é fonte inesgotável de informação sobre as vias de acesso da mulher subalterna às práticas da escrita (de sua vida pessoal) e da publicação, ou, nas palavras, de Jean Franco (1992), sua luta pelo “poder interpretativo”. Esperamos que o presente ensaio possa, então, contribuir para o estudo da literatura de testemunho no Brasil.

Palavras-chave


crítica literária; mulher e política; testemunhos de domésticas; literary criticism; maids’ testimonies; women in politics;

Texto completo:

PDF


E-ISSN: 1981-7886
ISSN: 0101-3505