Gilberto Gil e Haroldo de Campos: In(con)fluências, transcriação da canção

Heloísa Pezza Cintrão

Resumo


Entre 1967 e 1968, Gilberto Gil e Caetano Veloso encabeçam a Tropicália, movimento de vanguarda na MPB. Na fase tropicalista de suas participações em festivais, Gil e Caetano haviam tido contato com os poetas concretos. A letra da canção “Batmakumba” de 1968, composta em parceria pelos dois líderes do Tropicalismo num apartamento de São Paulo, é um poema concreto. Os concretistas também contribuíram para entusiasmar os baianos com Oswald e sua Antropofagia. Já mostrava vocação antropofágica o Gil que em 1967 havia sonhado combinar as eletrificadas inovações musicais estrangeiras com o que havia de mais autóctone; o Sargent Pepper’s dos Beatles com a Banda de Pífanos de Caruaru. Antropofagia, Transcriação e Tropicália convergem na incorporação do estrangeiro como alimento revitalizador para a arte nacional. Abordaremos esse ponto de contato da perspectiva de certas ressonâncias no trabalho posterior de Gil, como tradutor de canções. Há importantes semelhanças entre a tradução poética e a tradução da canção, e algumas versões de Gil evocam idéias dos irmãos Campos em dois aspectos: nos procedimentos utilizados ao traduzir e na própria escolha das canções a serem traduzidas, que parecem selecionadas tendo em vista certas contribuições para o sistema semiótico de chegada.

Palavras-chave


Gilberto Gil, Tradução de canção; Haroldo de Campos; Transcriação; Tropicália; Antropofagia; Gilberto Gil, song translation; Haroldo de Campos; Transcreation; Tropicália; Anthropophagy

Texto completo:

PDF


E-ISSN: 1981-7886
ISSN: 0101-3505