O duplo e o imaginário em Um rosto noturno, de Reynaldo Moura

Camilo Mattar Raabe

Resumo


O estudo propõe uma leitura do duplo e do imaginário de Um rosto noturno, de 1946, romance de Reynaldo Moura (1900 – 1965), considerado um dos primeiros escritores intimistas do Brasil, já em 1935. Um rosto noturno é a saga psicológica de Ulisses, num diário altamente simbólico e hermético, dotado de sonambulismos e alucinações, em que pela fixação por escrito de fatos extraordinários ele busca manter a sanidade – ameaçada pelo mundo fantástico no qual sua esposa submerge após um terrível acidente que a ela desfigura completamente a face. De qualidades próprias de um romance simbolista, Um rosto noturno é a obra de caráter mais intimista de Moura, em que o imaginário impera na retórica, sendo o tema do duplo o artifício que mimetiza a própria construção ambígua do símbolo e possibilita a arquitetura fantástica da narrativa.


Palavras-chave


Imaginário; Duplo; Um rosto noturno; Reynaldo Moura;

Texto completo:

PDF


E-ISSN: 1981-7886
ISSN: 0101-3505