A Modernité, seus paradoxos e Charles Baudelaire

Chimena M. S. de Barros

Resumo


Sabe-se que a Modernidade pode ser considerada em suas várias faces: social, política, cultural, estética; linhas que se cruzam algumas vezes e, em outras, se negam, sintoma de seus vários paradoxos Em seu âmbito poético, embora certos autores dos romantismos alemão e francês já a tivessem antecipado em alguns aspectos, a modernité teve como seu maior representante o poeta conhecido como “pai da modernidade”: Charles Baudelaire. O presente artigo trata da relação do autor com o conceito de modernidade estética e seus paradoxos, presentes em toda a sua poética, bem como em sua obra crítica. Com efeito, estarão em destaque, sobretudo, alguns poemas de Les Fleurs du Mal.

Palavras-chave: Charles Baudelaire. Modernidade. Estética. Poesia. Les Fleurs du Mal.

Palavras-chave


Charles Baudelaire; Modernidade; Estética; Poesia; Les Fleurs du Mal

Texto completo:

PDF


E-ISSN: 2526-2955