Eu acabei de escrever o artigo – um estudo sobre ambiguidade em construções com o verbo acabar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1981-5794-e11868

Palavras-chave:

Alçamento, Controle, Culminação, Recência, Estrutura argumental,

Resumo

Sentenças com o verbo acabar seguido de uma oração infinitiva encabeçada pela preposição de apresentam duas leituras. Uma, que chamarei de culminativa, aponta para o menor subevento final de um evento denotado pelo verbo no infinitivo; a outra, que chamarei de leitura de recência, coloca o tempo do evento da oração infinitiva relativamente próximo, e anterior, a outro tempo tomado como referência. Neste artigo, proponho que as duas leituras envolvem estruturas e interpretações para o verbo acabar radicalmente distintas. O trabalho, assumindo o arcabouço teórico da Morfologia Distribuída, apresenta evidências de que: (1) na leitura culminativa, temos, tipicamente, controle, enquanto na leitura de recência, alçamento; (2) as orações infinitivas na leitura de recência veiculam informação temporal/aspectual não veiculada pelas infinitivas na leitura culminativa; (3) enquanto na leitura culminativa o verbo acabar introduz um subevento do evento denotado pela oração infinitiva, na leitura de recência o verbo somente veicula um conjunto de relações temporais.

Biografia do Autor

Alessandro Boechat de Medeiros, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Faculdades de Letras, Rio de Janeiro - RJ - Brasil.

Professor adjunto de Linguística do Departamento de Linguística e Filologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Publicado

11/10/2019

Edição

Seção

Artigos Originais