Representações sobre o ensino de língua portuguesa numa escola rural

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1981-5794-e14214

Palavras-chave:

língua materna, formação de professores, discurso

Resumo

Esta pesquisa investiga representações discursivas sobre o ensino de Língua Portuguesa (LP), em uma escola rural na Região Norte do Brasil. Assumimos uma abordagem transdisciplinar da Linguística Aplicada e utilizamos pressupostos teóricos da educação científica e de teorias discursivas da linguagem. Tais pressupostos informam a abordagem qualitativa da análise linguística realizada. Os dados da investigação são constituídos a partir de uma entrevista semiestruturada, realizada antes de uma intervenção pedagógica no âmbito do projeto de pesquisa ConGraEduC (CNPq 441194/2019-2). Para este artigo científico, foram consideradas as respostas apresentadas por estudantes da educação básica a oito perguntas de um roteiro com quinze questionamentos. Nas análises das respostas, consideramos o imbricamento entre o intra e o interdiscurso, de forma a entrever a memória mobilizada pelos participantes ao enunciarem sobre o ensino da LP e, em especial, da gramática. Os resultados sugerem que a gramática é representada tanto por um silenciamento quanto pelo discurso da normatividade, pois os alunos afirmam desconhecê-la e concebem a língua como um mero conjunto de regras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kiahra Antonella, Universidade Federal do Tocantins (UFT). Professora no Instituto Federal do Tocantins (IFTO). Palmas - TO - Brasil.

É Doutoranda em Letras: Ensino de Língua e Literatura (Linguística Aplicada), mestra pelo Programa de Mestrado Profissional em Letras (PROFLETRAS) e graduada em Letras pela Universidade Federal do Tocantins (UFT). Tem experiência em docência na Educação Básica, em coordenação tecnológica e como formadora do Programa Um Computador por Aluno - PROUCA/MEC/UFT, responsável por preparar profissionais da escola para o uso integrado das tecnologias digitais ao currículo. Atuou como professora de Língua Portuguesa e Inglesa na rede estadual de ensino do Tocantins bem como em cursos de graduação pelo Instituto particular IDESP Educacional. Atualmente é professora efetiva da educação básica e tecnológica do Instituto Federal do Tocantins ( IFTO). 

Wagner Rodrigues Silva, Universidade Federal do Tocantins (UFT). Palmas - TO - Brasil.

Possui Licenciatura Plena em Letras (Língua Portuguesa e Inglesa) pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), mestrado, doutorado em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), e pós-doutorado em Linguística Aplicada pela The Hong Kong Polytechnic University (PolyU) e pela Aswan University (Egito). Durante o curso de graduação, foi bolsista de Iniciação Científica (CNPq/PIBIC) por três anos. É professor Associado IV da Universidade Federal do Tocantins - UFT, docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Letras: Ensino de Língua e Literatura (Mestrado e Doutorado Acadêmico, no Câmpus de Araguaína, e do Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGLetras), no Câmpus de Porto Nacional. Foi docente do Mestrado Profissional em Letras (ProfLetras), na Universidade Federal do Tocantins (UFT). Leciona disciplinas na área de linguagem na Licenciatura em Pedagogia, no Câmpus de Palmas. É bolsista de produtividade do CNPq (PQ 1D). É representante regional (Regiões Centro-Oeste e Norte do Brasil) da comissão gestora da Associação de Linguística Sistêmico-Funcional da América Latina (2017-2020). Tem experiência na área de Linguística Aplicada, atuando principalmente nos Estudos do Letramento, compreendendo os seguintes conteúdos: ensino de gramática, gêneros textuais, alfabetização, material didático,currículo, práticas de escrita, práticas de leitura, formação de professores e educação científica. Coordenou o Programa de Pós-Graduação em Letras: Ensino de Língua e Literatura (Mestrado e Doutorado) durante quatro anos. Foi membro da Diretoria (2016-2017) e do Conselho Consultivo (2018-2019) da Associação de Linguística Aplicada do Brasil - ALAB. É membro da Associação Brasileira de Linguística Aplicada (ALAB), da Associação Brasileira de Linguística (ABRALIN) e do Grupo de Trabalho Formação de Educadores na Linguística Aplicada (ANPOLL). 

Cristiane Carvalho de Paula Brito, Universidade Federal de Uberlândia (ILEEL/UFU). Uberlândia - MG - Brasil.

Possui graduação em Letras pela Universidade Federal de Uberlândia (2001), mestrado (2004) e Doutorado (2009) em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas. Professora Associada no Curso de Letras-Inglês na Universidade Federal de Uberlândia. Atua no Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos, na linha Linguagem, Ensino e Sociedade. Coordenadora do Grupo de Pesquisa Laboratório de Estudos Polifônicos. Principais temas de interesse: formação de professores de línguas, ensino-aprendizagem de línguas em diferentes contextos, produção de material didático, letramentos, Análise do Discurso. 

Publicado

08/03/2022

Como Citar

ANTONELLA, K.; SILVA, W. R.; BRITO, C. C. de P. Representações sobre o ensino de língua portuguesa numa escola rural. ALFA: Revista de Linguística, São Paulo, v. 66, 2022. DOI: 10.1590/1981-5794-e14214. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/alfa/article/view/14214. Acesso em: 27 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais