Da servilidade da tradução subversiva: servir a quem, por quê?

Silene Moreno, Paulo Oliveira

Resumo


A discussão teórica contemporânea contempla diversas variantes da noção de "subversão" na prática tradutória. Subverter é muitas vezes equacionado a "não servir", ou seja, a abandonar estratégias de "fidelidade", de "transparência" ou de submissão a determinados cânones. Entendemos que, embora toda subversão signifique um rompimento com a tradição, subverter implica também servir a alguma "causa", não-hegemônica por definição. Procuramos verificar essa hipótese por meio da análise de alguns discursos tradutórios em evidência, como o das feministas e o de autores como Haroldo de Campos e Lawrence Venuti. Os exemplos arrolados indicam que, apesar da pretensão à ruptura, tais discursos partilham com a tradição uma concepção essencialista de linguagem e a compreensão do tradutor como alguém que tem domínio pleno e consciente de sua própria produção. Por outro lado, se levarmos às últimas conseqüências a reflexão pós-moderna, poderemos concluir que toda tradução é, inevitavelmente, ao mesmo tempo subversiva e servil, pois interfere no original e serve a alguma "causa", em nome da qual ocorre a referida subversão. É isso o que aparentemente ocorre na prática tradutória propugnada pelos autores citados, como evidenciam os exemplos aqui discutidos.


Palavras-chave


Tradução e subversão; gênero; pós-modernidade; haicai;

Texto completo:

PDF


E-ISSN: 1981-5794