O inconsciente como linguagem: de Freud a Lacan

Julio Cesar Lemes de Castro

Resumo


Este artigo mostra que Freud, embora não contasse com os recursos da lingüística, já concebia o inconsciente em termos de linguagem, e que Lacan, usando ferramentas teóricas tomadas a Saussure e Jakobson, aprofundou a concepção freudiana. Assim, pode-se dizer que as formações do inconsciente (o sonho, o chiste, o lapso) e os sintomas neuróticos são articulações envolvendo significantes. O trabalho analisa, em particular, como os mecanismos de elaboração onírica seguem o modus operandi das figuras estilísticas. Estando na base tanto do inconsciente como da ordem social, a linguagem provê o fio de continuidade entre eles.

Palavras-chave


inconsciente; linguagem; psicanálise; Freud; Lacan; unconscious; language; psychoanalysis; Freud; Lacan

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21709/casa.v7i1.1773



E-ISSN: 1679-3404