Telejornal: a construção da notícia no texto sincrético

Maria Lúcia Vissotto Paiva Diniz, Juliano José de Araújo

Resumo


O telejornal caracteriza-se como um texto sincrético, constituído por uma interação de linguagens (gestual, verbal, visual, sonora etc.), que instaura simulacros do Mundo natural, pois não pode abarcá-lo em toda a sua totalidade. Tendo como corpus duas reportagens transmitidas pelos telejornais Jornal Nacional e Jornal da Cultura objetiva-se investigar como se dá esse simulacro. Empregando a Semiótica francesa, estudaremos o plano do conteúdo, através da aplicação do instrumental semiótico, e algumas questões do plano da expressão (cores, enquadramento de câmeras, sonoplastia etc.). Consideraremos o telejornal enquanto gênero informativo de maior crédito, pertencente ao meio de maior poder de difusão e abrangência e que existe numa forma concreta: apresentado todas as noites na maioria dos canais. Como um ritual, os telejornais entram no ar na hora das refeições, daí as restrições éticas com relação ao público e as implicações persuasivas, estéticas e passionais que nos conquistam.

Palavras-chave: Enunciação. Sincretismo. Telejornal.

Palavras-chave


enunciação; sincretismo; telejornal; enunciation; syncretism; TV News.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21709/casa.v3i2.585



E-ISSN: 1679-3404