Metodologias ativas no ensino de línguas

a aprendizagem por interação em meio remoto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1981-5794-e17721

Palavras-chave:

metodologias ativas, interação em meio remoto, ensino de inglês, teoria fundamentada nos dados, pandemia

Resumo

A pandemia do coronavírus intensificou o uso criativo de recursos tecnológicos que promovam a comunicação dinâmica entre os aprendizes de forma significativa. Este estudo investigou a contribuição das metodologias ativas nas aulas remotas de língua inglesa para a interação entre aprendizes de nível básico. Com base nesse objetivo, analisamos os recursos que promovem o desenvolvimento linguístico dos alunos por meio da interação em ambientes virtuais, tendo, por referencial teórico, estudos sobre metodologias ativas, aprendizagem, interação e ensino de línguas estrangeiras e teoria sociocultural. Os dados foram gerados por meio de questionários respondidos pelos estudantes, das interações no Google Classroom e do diário de observação da docente sobre as interações síncronas no Google Meet e analisados à luz da teoria fundamentada nos dados. Ao contrastar os instrumentos, obtivemos três categorias globais que emergiram da comparação e contraste entre eles: flexibilidade, autonomia e interação. As categorias mostraram que tarefas criativas desenvolvidas por meio de metodologias ativas, como a produção de vídeo, atividades autônomas como o acesso prévio a videoaulas e tarefas flexíveis como as atividades disponíveis nos fóruns semanais, permitiram aos aprendizes identificar possíveis erros no que concerne ao uso da língua inglesa e ajudar os colegas, resolvendo problemas de forma colaborativa. Os resultados confirmam as contribuições de metodologias ativas no ambiente on-line.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco José Quaresma de Figueiredo, Universidade Federal de Goiás (UFG). Goiânia — GO — Brasil.

É Professor Titular de Língua Inglesa da Universidade Federal de Goiás. É graduado em Letras Português Inglês pela Universidade Federal de Goiás (1988), mestre em Linguística pela Universidade Federal de Goiás (1995) e doutor em Linguística Aplicada pela Universidade Federal de Minas Gerais (2001), tendo realizado estágio pós-doutoral também na UFMG (2016). Tem experiência na área de Linguística Aplicada, com ênfase em ensino e aprendizagem de línguas, atuando principalmente nos seguintes temas: correção com os pares, aprendizagem colaborativa, inglês, avaliação, erro e correção, crenças sobre ensino-aprendizagem de línguas, telecolaboração. Tem vasta publicação nessas áreas, em forma de artigos em periódicos especializados e em capítulos de livros. É autor de Aprendendo com os erros: uma perspectiva comunicativa de ensino de línguas; de Semeando a interação: a revisão dialógica de textos escritos em língua estrangeira; e de Vygotsky: A interação no Ensino/aprendizagem de línguas. Organizou os livros A aprendizagem colaborativa de línguas; e Formação de Professores de Línguas Estrangeiras: Princípios e Práticas. Juntamente com Maria Cristina Pimentel Campos, da UFV, organizou os livros Culture and arts in Brazil and in the United States: a bridge of multifaceted languages e Intercultural and interdisciplinary studies: pursuits in higher education Organizou, juntamente com Darcilia Marindir Pinto Simões, da UERJ, os livros Metodologias em/de linguística aplicada para ensino e aprendizagem de línguas; Linguística aplicada, prática de ensino e aprendizagem de línguas; Contribuições da Linguística Aplicada para o Professor de Línguas; e Contribuições da Linguística Aplicada para a Educação Básica. Em 1992, foi um dos integrantes da delegação brasileira no programa The Ship for World Youth, patrocinado pelo governo japonês, experiência que lhe possibilitou conhecer o Japão, Estados Unidos, México e Venezuela. De 2006 a 2010, foi o coordenador da UFG no programa Iniciativa em Artes e Cultura Brasil-Estados Unidos, patrocinado pela CAPES/FIPSE, em parceria com a Universidade Federal de Viçosa e duas instituições americanas: University of Montevallo e Gadsden State Community College, ambas no estado do Alabama. Coordenou, de 2012 a 2014, o Programa de Licenciatura Internacional (PLI) entre a UFG e a Universidade de Coimbra. Foi o Vice-Coordenador do GT Ensino-Aprendizagem na Perspectiva da Linguística Aplicada, da ANPOLL, nos biênios 2012-2014 e 2014-2016, e de 2016 a 2018 foi seu Coordenador. Além do GT, participa do grupo DICE em rede (Discurso, Cultura e Ensino), da qual fazem parte pesquisadores da UFG, UFPE, PUC/SP, UNIFRAN, Mackenzie, Universidade de Buenos Aires, Universidade do Porto, UFMA, IFMA, UFJF, UNIFESP e UFSJ. UFG. De março de 2011 a agosto de 2018, foi o Diretor da Faculdade de Letras da UFG. De agosto de 2018 a janeiro de 2022, foi o Secretário de Relações Internacionais da UFG. Desde 2019, é o Diretor Brasileiro do Instituto Confúcio de Medicina Chinesa da UFG. ë Professor Visitante da Hebei University of Chinese Medicine. 

 

Downloads

Publicado

19/01/2024

Como Citar

SILVA, C. M. R. da; FIGUEIREDO, F. J. Q. de. Metodologias ativas no ensino de línguas: a aprendizagem por interação em meio remoto. ALFA: Revista de Linguística, São Paulo, v. 67, 2024. DOI: 10.1590/1981-5794-e17721. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/alfa/article/view/17721. Acesso em: 19 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais