MAIS ESTRANHO QUE A FICÇÃO: O AUTOR E O HERÓI NA ESTÉTICA DO DISCURSO CINEMATOGRÁFICO

Grenissa Bonvino Stafuzza

Resumo


Propomos neste artigo realizar um estudo analítico e discursivo da relação autor e herói no longa-metragem Mais estranho que a ficção (2005). Partimos do debate sobre algumas proposições teóricas formalizadas por Bakhtin/Volochínov (2009), tais como a língua pensada em sua natureza social, a enunciação na relação de comunicação entre (inter)locutores e a construção da relação signo-ideologia na linguagem (aqui, a cinematográfica) para anteciparmos alguns questionamentos que implicam a relação autor e herói, fundamentada por Bakhtin (1992).  Em seguida, transcrevemos alguns enunciados fílmicos eleitos para a análise, observando como a relação entre a autora, Karen Eiffel, e o herói, Harold Crick, se instaura por meio do intercâmbio dialógico em uma relação dinâmica na enunciação verbovisual de Mais estranho que a ficção, arquitetando o todo da obra cinematográfica.


Palavras-chave


Mais estranho que a ficção; Discurso Cinematográfico; Autor; Herói; Diálogo; M. M. Bakhtin.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21709/casa.v10i2.5585



E-ISSN: 1679-3404