AS TRÊS IDENTIDADES DO DISCURSO AUTOBIOGRÁFICO: REFLEXÕES SOBRE A OBRA DE PEDRO NAVA

Mariana Luz Pessoa de Barros

Resumo


Os diários, as cartas, os memoriais acadêmicos, os romances autobiográficos são gêneros que realizam o discurso autobiográfico, cuja marca central é, além da temática da “minha vida” – o “eu” é o centro do discurso –, a produção do efeito de identidade entre o enunciador e o narrador; o narrador e o protagonista; o protagonista e o enunciador. Ao examinar os livros que compõem as Memórias de Pedro Nava, notamos que, a partir da segunda metade de Galo-das-trevas (quinto volume), esse triplo efeito de identidade não se realiza por completo. Por meio de uma análise centrada na sintaxe e na semântica discursiva, procuramos desvendar os mecanismos labirínticos que rompem essa coerção dos gêneros autobiográficos e seus efeitos de sentido.


Palavras-chave


Semiótica Discursiva; Identidade; Autobiografia; Pedro Nava, Galo-das-trevas.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21709/casa.v10i2.5601



E-ISSN: 1679-3404