A construção da fronteira nacional como mercado: turismo de compras na fronteira Brasil/Uruguai

Autores

  • Lúcia Helena Alves Müller PUC-RS - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. Departamento de Ciências Sociais. Porto Alegre – RS

DOI:

https://doi.org/10.52780/res.10258

Palavras-chave:

Fronteiras nacionais, Antropologia dos mercados, Antropologia do consumo,

Resumo

Esse trabalho aborda as dinâmicas sociais envolvidas no processo historicamente recente de constituição de um mercado de produtos globalizados na fronteira Brasil/Uruguai a partir da criação, em 2010, dos chamados free shops em algumas das cidades daquela região. Embora o comércio – legal e ilegal - faça parte dos fluxos que cruzam a linha divisória entre os dois países desde a sua formação, a recente criação das zonas de isenção fiscal propiciou o estabelecimento de novos circuitos do chamado turismo de compras. Além dos aspectos políticos-legais que os instituíram, o estabelecimento desses novos circuitos se baseia na atuação de uma grande diversidade de agentes que estão implicados na logística de transporte e hospedagem, na divulgação dos estabelecimentos comerciais e dos produtos, na orientação e fiscalização dos viajantes/consumidores em relação às regras aduaneiras, etc. A etnografia dessas dinâmicas nos permite identificar atores e processos envolvidos na construção da fronteira nacional como um mercado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lúcia Helena Alves Müller, PUC-RS - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. Departamento de Ciências Sociais. Porto Alegre – RS

Doutora em Antropologia Social pela Universidade de Brasilia - UnB.

Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da PUCRS

Downloads

Publicado

15/02/2018

Como Citar

MÜLLER, L. H. A. A construção da fronteira nacional como mercado: turismo de compras na fronteira Brasil/Uruguai. Estudos de Sociologia, Araraquara, v. 22, n. 43, 2018. DOI: 10.52780/res.10258. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/estudos/article/view/10258. Acesso em: 14 abr. 2024.