Construção de agendas e inovações institucionais: análise comparativa da reforma sanitária e da reforma urbana

Autores

  • Telma Maria Gonçalves Menicucci
  • Flávia de Paula Duque Brasil

Palavras-chave:

Políticas públicas, Formação de agenda, Mudança institucional, Reforma sanitária, Reforma urbana, Movimento de reforma sanitária, Movimento de reforma urbana,

Resumo

O artigo focaliza duas questões básicas do processo de reformas de políticas públicas e a relação entre ambas: a constituição de novas agendas públicas e a tradução dessas agendas em mudanças institucionais. A partir de contribuições oriundas de matrizes distintas, constrói-se um modelo de análise aplicado a dois casos empíricos de constituição de agendas reformistas que tiveram repercussões nas políticas públicas, levando a mudanças institucionais a partir da Constituição Federal de 1988: a reforma sanitária e a reforma urbana. A abordagem busca identifi car os fatores determinantes dos dois processos, enfatizando o papel das idéias na formação de agendas e na inovação institucional e entendendo-se o próprio processo político também em sua dimensão simbólica e interpretativa. Analiticamente, busca-se identifi car como determinadas compreensões de problemas sociais construídas por atores coletivos vinculam-se ao processo de formação de políticas, a partir de dinâmicas sociopolíticas específicas, nas quais a inovação ideacional interage com constrangimentos institucionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

24/09/2010

Como Citar

Menicucci, T. M. G., & Brasil, F. de P. D. (2010). Construção de agendas e inovações institucionais: análise comparativa da reforma sanitária e da reforma urbana. Estudos De Sociologia, 15(29). Recuperado de https://periodicos.fclar.unesp.br/estudos/article/view/2971