O conflito está no ar: povos da floresta e espoliação sob o capitalismo verde

Autores

  • Elder Andrade de Paula UFAC – Universidade Federal do Acre. Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Rio Branco – Acre – Brasil. 69.920-900
  • Maria de Jesus Morais UFAC – Universidade Federal do Acre. Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Rio Branco – Acre – Brasil. 69.920-900

Palavras-chave:

Povos da floresta, Amazônia, Conflitos socioambientais, Capitalismo Verde,

Resumo

O ano de 2011 foi marcado por dois eventos que traduzem com razoável clareza os conflitos em torno da apropriação dos bens naturais sob a insígnia do capitalismo verde. O primeiro foi marcado pela designação, por parte da ONU, de ano internacional das florestas e, a publicação de dois documentos de autoria da FAO e ITTO que apresentam de forma mais acabada as diretrizes para a exploração sustentável das florestas. Além da extração de madeiras e produtos da biodiversidade, institui o Pagamento por Serviços Ambientais-PSA. O segundo foi a reação dos povos da floresta em varias regiões do Planeta contra essa nova forma de espoliação. O presente artigo tem como objetivo analisar esses conflitos, tomando com referência a fronteira tri-nacional Brasil/Bolíva/Peru. A análise está apoiada nas pesquisas que desenvolvemos e as conclusões mostram que longe de assegurar direitos territoriais conquistados pelos povos da floresta esses direitos estão sendo usurpados.

Downloads