OS SERINGUEIROS DO ACRE E O MERCADO DE MADEIRAS TROPICAIS CERTIFICADAS: NOTAS SOBRE COERÇÃO E RESISTÊNCIA

João Maciel Araújo, Thiago Alencar Rocha

Resumo


Nas últimas duas décadas foi relativamente expressivo o aumento de estudos sobre as relações entre populações amazônicas e o mercado. Várias pesquisas se dedicaram a problematizar os efeitos da expansão capitalista sobre territórios camponeses e indígenas, levada a cabo sob a ideologia do desenvolvimento sustentável. Este trabalho, baseado em pesquisa bibliográfica, documental e observação a casos de comunidades de seringueiros do Estado do Acre, procura oferecer elementos que ajudem na compreensão desta relação. Não obstante a complexa rede estabelecida entre agentes do campo econômico, burocrático e acadêmico, situados em diferentes países e representantes comunitários locais, conclui-se que a tentativa de criação de um mercado de madeira tropical certificada constituiu-se num processo no qual sistemas simbólicos confrontaram-se, não sendo possível afirmar categoricamente que houve superioridade da lógica do ganho meramente econômico em detrimento de valores culturais de outra ordem.

Palavras-chave


Amazônia, Populações Tradicionais, Seringueiros, Certificação Florestal, Sociologia Econômica.



DOI: https://doi.org/10.32760/1984-1736/REDD/2020.v12i1.14009

Direitos autorais 2020 REDD – Revista Espaço de Diálogo e Desconexão

 

 

 

E-ISSN: 1984-1736

UNESP - Universidade Estadual Paulista / Araraquara
 Rod. Araraquara - Jaú Km1 Bairro dos Machados Caixa Postal 174 CEP: 14.800-901 Araraquara - SP