ENTRE O SER E O NÃO SER EDUCADO FINANCEIRAMENTE: O DISCURSO SOBRE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NO ESPAÇO ESCOLAR

Autores

DOI:

https://doi.org/10.32760/1984-1736/REDD/2020.v12i1.14011

Palavras-chave:

Educação Financeira, Educação Básica, Sociologia Econômica, Antropologia Econômica.

Resumo

Este artigo objetiva discutir a educação financeira por meio de materiais didáticos produzidos para o desenvolvimento do tema nas escolas de educação básica brasileira. Desencadeada a partir da instituição da Estratégia Nacional de Educação Financeira em 2010, a temática vem sendo debatida no país e gerando um número crescente de publicações específicas. Metodologicamente, apresentamos uma análise documental baseada em autores da Sociologia Econômica e da Antropologia Econômica, e, como material empírico, os livros intitulados Educação Financeira e Valores. Com a análise, verificou-se que, quando a temática é vista sob aspectos racionais, os aspectos culturais e sociais são negligenciados, criando, a partir dessa ótica, pessoas educadas ou não financeiramente. Essa educação financeira que vem sendo produzida para a escola básica parece representar um mecanismo de transposição das crenças do capitalismo das finanças em capital cultural. O que essa educação financeira pretende, na prática, é construir socialmente um sujeito consumidor apto a imergir em assuntos financeiros, e, quando esse conhecimento se desenvolve na escola, pode favorecer a promoção de um crescimento econômico do país restrito ao enriquecimento de grandes produtores, no qual os estudantes seriam, a priori, apenas consumidores.

Biografia do Autor

Luzia de Fatima Barbosa Fernandes, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Doutora em educação pela Universidade Federal de São Carlos - UFSCar - São Carlos, SP e Professora Substituta na Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM - Uberaba, MG.

Pedro Henrique da Silva, Universidade Federal de São Carlos

Graduando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Publicado

20/09/2020