A organização flexível no comércio varejista: intensificação, sofrimento e os percalços da precarização dos estáveis na C&A Modas

Silvio Matheus Alves Santos

Resumo


Este artigo trata do trabalho numa multinacional fast fashion do comércio varejista, tendo como centro de análise os trabalhadores estáveis que estão inseridos numa organização do trabalho flexível, baseado em “5” Comportamentos, numa lógica de Competências e principalmente na multifuncionalidade exigida, acrescidos da pressão em bater metas e pelo plano de carreira. Nesse contexto, foi possível constatar processos de intensificação e precarização do trabalho ao investigarmos como os trabalhadores absorvem as responsabilidades das metas (profissionais e pessoais) colocadas pela empresa e o transbordamento de tais impactos para o seu contexto familiar. Assim, chegamos à conclusão de que o trabalho se intensifica e se complexifica com o aumento da demanda de trabalho em “eventos comemorativos”, com acréscimo de responsabilidades frente às metas e com o acúmulo de tarefas e responsabilidades que surgem com o plano de carreira. Portanto, identificamos como consequência desses processos, problemas de sofrimento com impactos na saúde física e psicológica desses trabalhadores. Por fim, este artigo é fruto de uma pesquisa que analisou duas lojas da C&A de Aracaju/Sergipe, entre os anos de 2010 a 2012, executando entrevistas com trabalhadores, observações acerca da organização do trabalho, levantamento de material e documentação pública sobre a empresa.


Palavras-chave


Trabalho flexível. Intensificação do trabalho. Multifuncionalidade. Trabalhador estável. Precarização.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.32760/1984-1736/REDD/2013.v7i1.6383

Direitos autorais 2014 REDD – Revista Espaço de Diálogo e Desconexão

 

 

 

E-ISSN: 1984-1736

UNESP - Universidade Estadual Paulista / Araraquara
GT Trabalho e Trabalhadores Departamento Sociologia Rod. Araraquara - Jaú Km1 Bairro dos Machados Caixa Postal 174 CEP: 14.800-901 Araraquara - SP