Resistências e reprodução social, política e econômica: a produção de boa gente no campesinato quilombola amazônico

Claudiane de Fátima Melo de Sousa

Resumo


A agricultura familiar tem passado por intensas transformações, muitos autores apontam essas transformações como formas de se reinventar, assim como criar estratégias para manter-se enquanto sistema social e de produção ante as pressões exercidas pelo grande capital e pelas necessidades que este gera. O objetivo desta pesquisa é analisar as diversas estratégias que duas comunidades rurais quilombolas de Abaetetuba-PA tem explorado para se inserir na economia de mercado, competir com produtos diferenciados, vencer o êxodo rural, a precarização e a pobreza, e, ainda se autoafirmar enquanto sujeitos sociais e políticos. Sob o olhar da antropologia interpretativa, a coleta de dados se deu por meio da observação direta, entrevistas formais e conversas informais.


Palavras-chave


Campesinato; Capitalismo; Filhos do Quilombo; Agricultura familiar; Estratégias de reprodução camponesa;

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.32760/1984-1736/REDD/2014.v8i2.6886

Direitos autorais 2015 REDD – Revista Espaço de Diálogo e Desconexão

 

 

 

E-ISSN: 1984-1736

UNESP - Universidade Estadual Paulista / Araraquara
GT Trabalho e Trabalhadores Departamento Sociologia Rod. Araraquara - Jaú Km1 Bairro dos Machados Caixa Postal 174 CEP: 14.800-901 Araraquara - SP