A disciplinarização dos corpos: as tramas da biopolítica no Sistema de Garantia de Direitos das Crianças e dos Adolescentes

Autores

  • Laura Nayara Pimenta UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais. Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Sociabilidade da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. Belo Horizonte – MG

DOI:

https://doi.org/10.52780/res.11513

Palavras-chave:

Direitos humanos, Infância, Biopolítica, Vale do Jequitinhonha, Políticas Públicas,

Resumo

O presente artigo pretende problematizar se o Sistema de Garantia de Direitos das Crianças e dos Adolescentes(SGD) funciona como uma estratégia biopolítica, uma vez que nele atuam de maneira concentrada agentes de várias proveniências (entes públicos de várias instâncias e níveis, sociedade civil), com vistas a incentivar a vida e a suprimir nela aquilo que é considerado perigoso. Para isso, utilizar-se-á os conceitos de biopolítica trabalhados por Foucault e Pelbart, a fim de compará-los com a legislação que rege o Sistema de Garantia e com o modo como este sistema atua especificamente na cidade de Itaobim-MG.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laura Nayara Pimenta, UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais. Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Sociabilidade da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. Belo Horizonte – MG

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Comunicação e Sociabilidade Contemporânea da Universidade Federal de Minas Gerais. Mestre pela mesma instituição.

Downloads

Publicado

13/02/2019

Como Citar

PIMENTA, L. N. A disciplinarização dos corpos: as tramas da biopolítica no Sistema de Garantia de Direitos das Crianças e dos Adolescentes. Estudos de Sociologia, Araraquara, v. 23, n. 45, 2019. DOI: 10.52780/res.11513. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/estudos/article/view/11513. Acesso em: 22 fev. 2024.