Experiências urbanas segregadas

Locais de moradia, trajetórias e redes pessoais de negros e brancos em São Paulo - SP

Autores

DOI:

https://doi.org/10.52780/res.v27iesp1.15820

Palavras-chave:

Segregação Residencial, Raça, Trajetórias, Redes pessoais

Resumo

A partir de uma crítica das formas como a noção de segregação residencial tem sido operacionalizada, propomos uma abordagem que revele em que medida a separação das moradias se associa a diferenciais de integração social e acesso à cidade baseada no mapeamento de trajetos e locais frequentados pelos indivíduos no espaço da cidade e na espacialização de suas redes pessoais de relações. Demostramos que, na medida em que negros e brancos estão residencialmente segregados, são segregadas também suas redes pessoais e locais frequentados. Nossos achados realçam o papel do espaço urbano para a constituição de barreiras à integração de negros nas classes médias. Ademais, argumentamos que as classes médias e altas se organizam como grupos de status cujas fronteiras são fortemente baseadas, não apenas em características raciais, mas também no espaço urbano (habitado e frequentado).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danilo França, Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói – RJ – Brasil

Professor do Departamento de Sociologia e Metodologia das Ciências Sociais. Pesquisador do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (AFRO-CEBRAP), Núcleo de Pesquisa e Formação em Raça, Gênero e Justiça Racial. Doutorado em Sociologia (USP).

Publicado

25/04/2022

Como Citar

França, D. (2022). Experiências urbanas segregadas: Locais de moradia, trajetórias e redes pessoais de negros e brancos em São Paulo - SP. Estudos De Sociologia, 27(esp1), e022003. https://doi.org/10.52780/res.v27iesp1.15820